Heley grávida de Olavo
Heley grávida de Olavo

No Dia Internacional da Mulher, O Câmera Record, às 22h30, exibe uma reportagem especial sobre a vida de Heley de Abreu, a verdadeira ‘heroína do Brasil’. Heley salvou a vida de muitas crianças após um vigia, ensandecido, atear fogo na creche onde ambos trabalhavam, em Janaúba, Minas Gerais, no dia 5 de outubro de 2017.

Além do segurança, que colocou fogo no próprio corpo, 13 pessoas morreram no ataque. Dez crianças e três professores, incluindo Heley. Para contar essa história, o programa reuniu uma equipe especial, somente com jornalistas mulheres. Pauteiras, repórteres e editoras narram a trajetória da mulher que perdeu a vida para salvar tantas outras.

Leia também: Mara Maravilha comete gafe e público comemora férias da apresentadora


As repórteres Thatiana Brasil e Gabriela Pimentel viajaram até a pequena cidade, de 70 mil habitantes, onde aconteceu o caso. Da Redação, as repórteres investigativas, Sheila Fernandes e Mariana Verdelho, deram suporte às enviadas, com pesquisa, informação e revelando detalhes até então desconhecidos sobre a vida da professora Heley e sobre a tragédia.

Já as jornalistas Fabíola Corrêa e Soraya Lauand ficaram com a responsabilidade de editar o material. O último toque é da editora finalizadora Natália Florentino.

Equipe Feminina do programa Câmera Record
Equipe Feminina do programa Câmera Record (Divulgação/ Record TV)

A história da professora Heley

Durante oito dias, O Câmera Record ouviu familiares, amigos e alunos da professora, que ajudaram a revelar a trajetória dessa ‘heroína’.

Telespectadores e internautas terão a oportunidade de entender, em detalhes, como Heley salvou a vida de muitas crianças no caso que ficou conhecido como a ‘Tragédia de Janaúba’. “Ela pegava aquelas crianças e entregava pro outro pessoal que estava lá fora e voltava para sala de novo. Ela deu a vida dela para salvar a dos nossos filho”, conta uma das mães entrevistadas pelo jornalístico.

Naquela data, o vigia da creche, com um balde cheio de gasolina, entrou na escola e ateou fogo no local. Em seguida, colocou fogo no próprio corpo. Segundo as testemunhas, não fosse a Heley, teriam morrido muito mais do que 13 pessoas. “Não fosse ela, teria morrido muito mais crianças. A tragédia seria muito maior”, revela uma outra mãe.

Os repórteres vão contar também detalhes da infância de Heley, repleta de vivacidade, a juventude dedicada aos estudos, o fascínio pela profissão, a vontade de ser mãe e formar uma família. E o reconhecimento pelo poder público ao ato de coragem e amor ao próximo, em um dos episódios mais tristes da história do país.

O programa ouviu também a família de Damião Soares dos Santos, o homem responsável pelas 13 mortes. Os repórteres vão em busca do motivo que levou Damião a cometer um ataque tão covarde.