Para comemorar 100 programas, Zorra grava em Brasília

Zorra
Zorra (Divulgação)

Sem fugir de polêmica, sem minimizar fatos, sem medo de discutir política, futebol ou religião. São 100 sábados com o humor do cotidiano brasileiro na TV, desde que o ‘Zorra’ assumiu o novo formato, em 2015. A ‘zueira’ aponta em todas as direções encarando a realidade: dos grupos de mensagem instantânea e aplicativos de relacionamento, aos absurdos de violência urbana ou dilemas familiares, sem fechar os olhos para os episódios envolvendo os três poderes da República, com personagens que já viraram marca desta temporada. Tanto que o episódio especial, que vai ao ar neste sábado, dia 4, contará pela primeira vez com cenas gravadas em Brasília.

Leia também: Clichês e excesso de vilões prejudicam O Outro Lado do Paraíso

“A política é um assunto que se impôs a nós, e que é tão recorrente que você não consegue imaginar um programa que aborda a atualidade sem ele”, afirma Celso Taddei, que assina a redação final do humorístico ao lado de Marcius Melhem e Gabriela Amaral. “Fico muito feliz de chegar ao programa número 100 com o público satisfeito, reconhecendo o quanto a gente tenta estabelecer um diálogo com as questões da sociedade, de comportamento e de política. É uma alegria chegar aqui conversando com as pessoas com um humor no qual a gente acredita”, completa Marcius, que lembra, orgulhoso, da indicação da atração ao Emmy, na categoria “Melhor Comédia”, no ano passado.


Como essa turma não é de perder piada, até a mudança de nome da atração, que deixou o ‘Total’ em 2015, vai estar em pauta. Numa ação inédita, a Globo criou uma abertura fictícia bem humorada, que troca o nome do humorístico para ‘Haroldo’, remetendo ao esquete no qual um dos personagens brinca com a confusão e sugere nova alteração no título. A chamada será veiculada nas redes sociais institucionais da emissora e no intervalo do programa.