Jornalistas Percival de Souza, Renato Lombardi e Gerson de Souza falam sobre os desafios e os perigos da profissão no Programa do Porchat

Programa do Porchat
Percival de Souza, Renato Lombardi e Gerson de Souza no Programa do Porchat (Divulgação/ RecordTV)

Ameaça de traficantes. Perseguição de pistoleiros. Receio de ser baleado em meio a tiroteios envolvendo policiais e bandidos. Situações extremas como essas já foram vivenciadas pelos jornalistas da Record TV Percival de Souza, Renato Lombardi e Gerson de Souza, os convidados do Programa do Porchat de hoje, dia 8/11, que, em conversa com o apresentador Fábio Porchat, comentam os desafios e os perigos da profissão que exercem há décadas.

Leia também: O Outro Lado do Paraíso: Em plena noite de núpcias, Samuel decepciona Suzy ao falhar na cama

Repórter do Domingo Espetacular, Gerson, por exemplo, relembra quando ficou no meio de tiroteios envolvendo gangues rivais em El Salvador, cujos confrontos já resultaram na morte de mais de 100 mil pessoas. Ele também comenta do risco de morte que sentiu ao fazer uma matéria na fronteira do Brasil com o Paraguai, quando chegou a ser perseguido por pistoleiros.


Apesar desses contratempos, Lombardi, atualmente no Balanço Geral, afirma que não tem muito tempo para colocar na balança os perigos com os quais têm de lidar. “Claro que é arriscado, mas, na hora, não pensamos nos riscos”, diz ele, que revela já ter sido ameaçado por traficantes por conta de uma reportagem sobre o comércio de drogas. Para ele, problemas relacionados à bandidagem só chegarão ao fim quando forem implantadas políticas de governo eficientes. “Precisa pegar pesado para acabar com a impunidade. Ao mesmo tempo, é preciso lembrar que não existe salvador da pátria.”

“O crime organizado só existe porque há o envolvimento do Estado”, complementa Percival, comentarista de segurança do Cidade Alerta. Ele também recorda a forte amizade com Marcelo Rezende, morto em setembro de 2017, com quem trabalhou por anos na Record TV.

O talk show ainda exibe mais uma edição do quadro Emergente como a Gente, desta vez com o tema “puberdade”, e um esquete sobre trabalho escravo.