Série Os Anos 80 Estão de Volta reúne depoimentos de personalidades icônicas da década

Elke Maravilha
Elke Maravilha (Divulgação)

A partir de 8 janeiro, o VIVA resgata grandes momentos dos anos 1980 com a estreia da série “Os Anos 80 Estão de Volta”. Em 11 episódios, a atração reúne destaques marcantes da década, em cenários que vão desde a televisão e o teatro até a música e a moda do país. Com direção geral de Darcy Bürger, e direção e roteiro de Guilherme Bryan, o especial foi gravado em 2015.

“É uma série em que discorremos sobre todos os pontos interessantes da década. Na minha opinião, é uma geração que deixou um legado enorme para o futuro. É puramente afetivo, é uma série em que me vi nela totalmente”, diz Darcy, em depoimento durante a gravação do programa. O produtor e diretor faleceu em agosto de 2016.

Entre os assuntos abordados ao longo dos episódios, fenômenos culturais e de comportamento dos anos 1980: o primeiro Rock in Rio; o surgimento de bandas como Legião Urbana, Titãs e Paralamas do Sucesso, que deram uma cara nacional ao rock; o movimento pelas Diretas Já; a criação do grupo teatral “Asdrúbal trouxe o Trombone”, que revelou uma geração de talentos; o aparecimento do punk no Brasil; o estouro das músicas para crianças e adolescentes e do gênero “soul à brasileira”; a relevância de Abelardo Barbosa e sua “Discoteca do Chacrinha” e dos videoclipes lançados no “Fantástico”; e a consagração de clássicos da televisão como “TV Pirata” e “Armação Ilimitada”.


A série conta com depoimentos de personalidades icônicas da época. André De Biase, Byafra, Dado Villa-Lobos, Diogo Vilela, Elke Maravilha, Evandro Mesquita, Guto Graça Mello, Hamilton Vaz Pereira, Hermano Vianna, Kadu Moliterno, Kid Vinil, Kiko Zambianchi, Léo Jaime, Marcelo Madureira, Marcelo Tas, Michael Sullivan, Miguel Falabella, Nelson Motta, Pedro Cardoso e Sandra de Sá estão entre os convidados.

“O que costumo dizer, talvez seja um exagero, mas, depois da Semana de Artes Modernas de 1922 e da Tropicália, a geração 80 foi o último movimento cultural completo que teve no Brasil, além de se viver até hoje”, comenta Marcelo Madureira. Durante sua participação no programa, Evandro Mesquita também enaltece a importância da década: “Acho que os anos 1980 foram essenciais nessa tomada da juventude de acesso à gravadora, aos teatros. A sair do underground”.