Carol Dias
Carol Dias (Divulgação)

A experiência na TV não foi muito favorável à e-panicat Carol Dias, tanto que ela relata ter desenvolvido depressão e síndrome do pânico após a saída do Pânico.

De acordo com o Notícias da TV, um dos maiores motivos para as doenças foram as constantes humilhações que a moça sofria.

Segundo ela, os xingamentos nos bastidores eram constantes, tanto que ela ainda se recupera desses episódios ruins.

“Vou ao psiquiatra e tomo remédio até hoje”, revelou ao portal.

Leia mais: Carol Dias fala sobre saída do Pânico, fim do programa na Band e rixa com Nicole Balhs: “Pessoal colocava lenha”

Críticas e provocações

Apesar de se esforçar para realizar seu trabalho no Pânico, Carol contou que sofria com frequentes críticas a respeito de seu peso.

Um dos principais motivos para as crises começarem foi quando uma diretora gritou com ela dizendo que estava gorda.

“Ela começou a gritar comigo, dizendo que eu estava gorda. Foi em 2016, na frente das minhas amigas. Eu tinha engordado um pouco. Mas acho que ela poderia, com delicadeza, me chamar num canto e me falar”, contou.

A pressão por ter um físico “impecável” sempre foi um motivo para que a ex-panicat fosse humilhada nos bastidores da atração.

Assim sendo, ela decidiu procurar um psiquiatra e foi diagnosticada com síndrome do pânico e depressão, chegando até a ficar afastada do programa por um tempo.

Mas, em seu retorno, Carol acabou sendo ignorada pelos colegas e continuou sendo humilhada também por outro diretor que prefere não citar o nome.

Tal diretor fazia piadas, a obrigava a participar de quadros que ela não concordava e a tirar a roupa contra sua vontade.

“Tenho um repúdio gigante dele, um cara extremamente machista e que falava coisas sem o menor cabimento”, revelou.

Leia mais: Mesmo com demissão vetada por Emílio Surita, Amanda Ramalho descarta voltar ao Pânico

Novos rumos na carreira

Foi graças ao apoio psicológico que Carol decidiu pedir demissão do Pânico para seguir novos caminhos.

Atualmente, ela investe na carreira de coach de autoestima, para encorajar as mulheres a lidarem com seus medos e fantasmas internos.

Os conselhos são dados em seu canal no Youtube e no Instagram.

“Trabalho como coach de autoestima justamente porque eu quero que as mulheres se sintam mais felizes e capazes, porque no Pânico eu não me sentia capaz”, contou, animada.

Últimos vídeos do Canal no YouTube