Camila Pitanga no Altas Horas
Camila Pitanga no Altas Horas (Reprodução)

Camila Pitanga foi uma das convidadas do programa Alta Horas exibido neste sábado (09). A atração teve como tema principal o Dia Internacional da Mulher, contou ainda com a presença de Valesca Popozuda, Maria Rita, e da dupla Maiara e Maraisa. A atriz, aproveitou a oportunidade para falar sobre Aruanas, série que estreia em junho na Globoplay.

“Essa série fala sobre ativismo ambiental. Claro que inserida num thriller policial, com protagonismo feminino. Com uma diretora mulher, e uma roteirista mulher também. Mais do nunca não só no Brasil, mas pela sobrevivência do mundo, precisamos falar sobre a Amazônia. Precisamos falar e defender o meio ambiente”, iniciou ela.

Leia também: Saiba como será a história de Aruanas, nova série da Globoplay para 2019

Engajada sócio e politicamente, Camila explicou a importância do tema numa série de televisão. “Não sei se vocês sabem, mas o Brasil é um dos países que mais matam ativistas. Pessoas que lutam pela terra. Pessoas que lutam pelos diretos de outros seres humanos estão sendo mortas, assassinadas. A nossa série fala disso. Desse risco, das conquistas, da inteligência de um ativismo muito atuante. Quando a gente pensa no legado de Chico Mendes, ele não encerrou na morte dele. A gente precisa falar de Chico Mendes, a gente precisa falar de Dorothy Stang”.

“[Na série] existem as protagonistas que são a Tais Araújo, Débora Falabella, Leandra Leal, amigas muito queridas, mas faço Olga, o outro lado. É uma defensora do agronegócio, uma advogada que usa caminhos escusos para defender o capital. Um capital inescrupuloso que não importa se a comida está vindo tóxica, se estão desmatando terra, se estão expulsando gente, índios, nossos nativos, pais do Brasil… Então, a série convida a refletir sobre isso através da ficção”, disse ela, completando ainda sobre a vilania representada por sua personagem.

Últimos vídeos do Canal no YouTube