Evandro Santo faz revelações inéditas sobre bastidores do Pânico e afirma: “Era uma briga de pessoas geniais”

O repórter e humorista, Evandro Santo, recém saído de A Fazenda 10, foi um dos convidados do programa Observatório E!, da Rádio Trianon, e fez novas revelações sobre os bastidores do extinto programa, Pânico. Evandro estreou no Pânico na TV, no auge da atração em seu período de RedeTV!. Seu personagem, Christian Pior, conquistava  picos de audiência na atração. O humorista migrou junto com toda a equipe para a Band, e lá permaneceu até a extinção do programa em sua versão televisiva. Ele continuou sendo integrante do Pânico na rádio até 2017, no ano seguinte o artista integrou o elenco de A Fazenda. Confira parte da entrevista com Evandro Santo:

Veja também: 10 brasileiros que se destacaram e se tornaram notícia internacional em 2018

Machismo e homofobia no Pânico

“O Pânico tinha uma cabeça que as pessoas não sacavam que era a ironia. O Pânico se permitia ser chamado de homofóbico e machista. Mas qual foi o programa que pegou um gay desconhecido com 32 anos e colocou no horário nobre dando muito destaque para ele? O Pânico. Qual programa daria papel para pessoas populares como o Charles Henrique? Quem reconheceria aquele talento? Quem reconheceria as Gagas? … Era uma empresa que gerava muito emprego, todo mundo saiu muito bem, saíram prósperos dali e com nome.

Eu penso que, quando você faz comédia, qualquer movimento que você faz, que seja ousada, ela avança, ela pode cair sim no exagero e no mau-gosto para depois recuar e ter equilíbrio. Não existe mudança sem causa, o Pânico era caótico sim, mas por ousar e ir além, alguém tinha que dar a cara a tapa.

Eu penso que o Pânico não era nada machista, eu tinha meu espaço lá, me aceitaram como gay de cara, quando eu tive uma caída muito grande foram eles que me ajudaram e me seguraram a mão. Eram rígidos? sim.. era um regime militar? era, vivíamos para aquilo. Tinha a resistência de ficar horas numa porta e sua matéria não render e acabar não indo para o ar. Era uma briga de pessoas muito geniais.”

Confira a entrevista completa com Evandro Santo no Observatório E!