Padre Fábio de Melo no Programa Raul Gil
Padre Fábio de Melo no Programa Raul Gil (Divulgação/ SBT)

Padre Fábio de Melo foi o convidado do Pra Quem Você Tira o Chapéu, quadro do Programa Raul Gil deste sábado (24). Na atração ele homenageou Eliana, com quem relatou ter uma bela amizade. “Eu tiro o chapéu para a Eliana. Além de ser uma grande comunicadora, é bonita. Acho que ela dorme no formol porque tem a mesma carinha a vida inteira. Eu já admirava pelo programa dela, mas tive um episódio que me fez perceber o ser humano único que ela é”.

“Quando ela estava na segunda gravidez, ela precisou parar a vida dela senão a filha não sobreviveria. Eu acho muito nobre quando a gente é capaz de parar nossa vida em amor a outra pessoa, e eu sempre disse isso para ela. ‘Eliana, você está parando a sua vida por um rosto que você não conhece, por um corpo que você nunca pegou no colo’. Naquela oportunidade, eu fui muito próximo a ela e isso me ensinou muito. Como é bonito a gente ver o amor de verdade, uma mãe querendo a todo custo trazer seu filho ao mundo, vê-lo ser gente, nascer, crescer, por isso tenho mil motivos para tirar o chapéu, mas ela me concedeu eternamente um aprendizado que nunca vou esquecer”, continuou o religioso.

Leia também: O Rei Leão | Primeiro trailer do live-action recria cena icônica; assista!

Raul Gil então parabenizou a colega de emissora pela abertura do Teleton. “Ela fez uma abertura do Teleton fabulosa, emocionante. É muito talentosa, Parabéns Eliana”. Padre Fábio de Melo também tirou o chapéu para Ronaldo Fenômeno. Ele atribuiu ao ex-craque suas maiores alegrias em relação à Seleção Brasileiras de Futebol.

Ronaldo Fenômeno

“Ronaldo foi o jogador da Seleção brasileira que mais me proporcionou alegria ao longo da minha vida. Tenho uma gratidão mesmo sem conhecê-lo. Sabe quando você tem um carinho gratuito por uma pessoa que não consegue explicar? Sempre tive isso por ele. Acho que aquele episódio dos joelhos, dificultaram muito a copa que perdemos para a França, aquele episódio terrível. Eu gostaria que ele fosse eternamente lembrado pelo bem, pela alegria que ele nos trouxe. Eu acho que o Brasil é muito cruel quando acontece um deslize pessoal de alguém. A gente joga a carreira dele no foço do esquecimento, e ele merece ser lembrado pelo grande jogador que ele é”.