Jout jout participa do Programa do Porchat (Foto: Antonio Chahestian/RecordTV)

A influenciadora digital Jout Jout foi uma das convidadas do Programa do Porchat no início desta terça (23).

Dona de um dos maiores canais no Youtube, a moça falou sobre feminismo e sua nova série de vídeos que visa debater sobre política.

De acordo com Jout Jout, sua página na internet começou a crescer por conta dos desabafos que fazia em vídeo, além de destacar temas pertinentes.

Segundo ela, os comentários dos seguidores a ajudaram a produzir cada vez mais conteúdo relevante.

“Teve uma seguidora que disse que começou a aceitar melhor seu corpo depois de assistir os vídeos. Começou a ver que ser gorda não é um problema”, revelou.

Além disso, a influenciadora falou também sobre feminismo, movimento que defende abertamente, casos de relacionamento abusivo, bem como política.

Leia mais: “As pessoas tem necessidade de saber quem é gay”, reclama Fabio Porchat

Jout Jout fala sobre política no Porchat

A discussão sobre política começou quando Jout Jout salientou o papel dos brasileiros para a mudança efetiva do país.

Segundo ela, o fato de não querer falar sobre o assunto só alimenta ainda mais os problemas atuais.

“É tudo que eles [os políticos] querem. Sentar em uma cadeira confortável e ficar tranquilo, que ninguém fale nada”.

Essa foi uma de suas grandes inspirações para criar um conteúdo temático sobre o tema.

“Não adianta pensar só na gente e o que nos afeta. Temos que pensar também em outras pessoas, como tal coisa irá afetar nas comunidades ribeirinhas, por exemplo”, contou, fazendo uma analogia.

Leia mais: Pronto para deixar a Record, Fábio Porchat pode estar na mira da Globo

Logo no primeiro episódio, a youtuber faz uma análise do porquê as pessoas querem fugir do assunto.

Assim sendo, ela criticou o fato de muitos ficarem “em cima do muro”.

“Não adianta votar nulo. Tem que discutir. É com a gente, algo que afeta nossa vida”.

Fabio Porchat concordou com o discurso e questionou se ela ainda acredita na política.

“Ainda acredito na política. Eu tenho que acreditar. Ainda penso no dia em que nenhuma mulher será estuprada”, disse.