Luiz Ademar era comentarista do SporTV até o fim de 2017 (Reprodução/SporTV)
Luiz Ademar era comentarista do SporTV até o fim de 2017 (Reprodução/SporTV)

Ex-comentarista do SporTV, de onde foi demitido na leva de vários profissionais que foram dispensados pelo canal na reformulação do esporte da Globo no fim de 2017, o jornalista Luiz Ademar fez acusações sérias contra a emissora.

Em uma conversa com um seguidor no Twitter, Ademar detonou a antiga casa onde trabalhava e disse que o SporTV orientava a falar mal dos clubes que assinaram com o Esporte Interativo para a transmissão do Brasileirão a partir de 2019.

Veja mais: Sondado pelo SporTV, Gustavo Villani ainda não foi chamado por Fox Sports para renovação


Os clubes que assinaram com o Esporte Interativo são Palmeiras, Santos, Internacional, Atlético Paranaense, Coritiba, Bahia, Figueirense, Ponte Preta, Santa Cruz, Ceará, Sampaio Corrêa, Criciúma, Joinville, Paysandu, Paraná e Fortaleza.

Segundo Ademar, o SporTV agora tem profissionais de outras áreas falando de futebol. No entanto, ele diz também que não viu a emissora esportiva desde que saiu. “Amigos, sinceramente, depois da minha saída, nunca mais assisti a programação do canal. Os programas estão cada vez piores. Pegam gente de fora do futebol, com nome em outras áreas, e deixam vomitar merdas. São os ‘modernos'”, disse o jornalista.

Alem disso, Luiz Ademar explicou a orientação para falar mal sobre os clubes que assinaram com o Esporte Interativo. “Claro que pediram! E eu disse que sou jornalista e não entendo nada de negócios. Falaram que o meu emprego dependia disso. E voltei a falar: sou jornalista e falo o que julgo correto. Não sei se esse foi o motivo, mas fui atingido no corte! Sem problemas!”, explicou.

“Pediram para não alisar com os clubes que não assinaram Todos. Mas como nunca fiz e disse que era jornalista e não executivo, desistiram de mim. Em todos os sentidos….”, completou Ademar.

Observatório da Televisão tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa do SporTV para comentarem as acusações, mas não obtivemos resposta até o fechamento desta reportagem.