Globo diz que não vai comentar falas de autores do vazamento de vídeo de Waack

William Waack
William Waack (reprodução)

Os autores do polêmico vídeo que fez William Waack ser afastado surgiram: trata-se do ex-funcionário da Globo Diogo Pereira, de 28 anos, e Robson Ramos, designer gráfico, de 29.

Em entrevista para a Rádio Jovem Pan nesta tarde de quinta-feira (9), eles disseram que vazaram o vídeo apenas para discutir a questão do racismo, tão em voga nas redes sociais e na sociedade atualmente.

Veja mais: Globo afasta William Waack da emissora por vídeo vazado com comentário racista


“Tudo aconteceu enquanto a produção estava colocando o microfone nele. Eu ainda voltei as imagens para ter certeza, não estava acreditando que ele teria falado aquilo. Fiquei tão revoltado que filmei com meu celular”, diz Diego.

Já Robson diz que a divulgação não foi premeditada e que o objetivo era apenas fazer o público refletir sobre o racismo, sem imaginar que teria tanta repercussão, já que jornalistas não tiveram interesse nele anteriormente.

“Soltei o vídeo em um grupo de líderes do movimento negro. Mas não foi premeditado essa repercussão, a ideia era mostrar para os amigos que um jornalista influente como ele também poderia ser racista”, afirmou.

As falas ganharam a internet, e lógico, esperava-se uma posição da Globo. Procurada pela reportagem do Observatório da Televisão, a emissora disse que não vai comentar as motivações e falas de Diego e Robson.

William Waack está afastado do Jornal da Globo até que tudo se esclareça. O afastamento aconteceu depois do vídeo onde faz um comentário racista vazou na internet. Nele, um homem não para de buzinar em um link de Waack em Washington, nos Estados Unidos.

Datado de novembro do ano passado, Waack diz que buzinar daquela forma “é coisa de preto”. Personalidades da própria Globo repudiaram o fato.