Ex-Pânico, Zina vira puxador de loja em São Paulo e cobra 5 reais por fotos

Zina puxando clientes para uma loja em São Paulo
Zina puxando clientes para uma loja em São Paulo (Reprodução/YouTube)

Numa época onde o fim do Pânico tem sido muito falado, muitas pessoas se lembram do auge do programa em audiência, acontecido em 2009. Naquele ano, o principal responsável pelos altos números foi o carismático Marcos Heredia da Silva, o Zina.

Zina foi descoberto numa reportagem sobre a chegada do ex-jogador Ronaldo ao Corinthians, em janeiro de 2009. Numa reportagem do Pânico, ele falou apenas uma frase: “Ronaldo…. E brilha muito no Corinthians!”.

Veja mais: Carioca confirma fim do Pânico na Band, lamenta fato e diz que é “difícil largar” programa


A fala virou vinheta do Pânico e Zina celebridade nacional. Por problemas jurídicos, o Pânico acabou contratando Zina e o ajudando, comprando inclusive uma casa em seu bairro, a Xurupita, comunidade periférica de São Paulo.

Por causa de Zina, o Pânico, na época ainda na RedeTV!, liderou o Ibope pela primeira vez, chegando a picos de até 16 pontos de audiência na Grande São Paulo.

Mas Zina acabou se perdendo por problemas que teve. Foi preso por porte de armas e drogas, chegou a ficar preso e internado em uma clínica para dependentes químicos. Mas não adiantou muito.

Recentemente, ele foi flagrado usando drogas no metrô de São Paulo. Agora, mais um registro de onde está chega na internet.

Um homem flagrou Zina, em meados do último mês de outubro, como puxador de uma loja de eletrônicos e vídeo games no bairro de Santa Efigênia, bairro de comércio popular em São Paulo.

O homem ressaltou que Zina estava “bem louco”, o que dá a entender que poderia estar sob efeito de drogas. Zina, logicamente, era sempre reconhecido, e aproveitou isso.

Ele tem cobrado 5 reais para tirar fotos com fãs, justamente para tirar algum proveito, já que ser puxador de loja é apenas um bico. Veja o vídeo abaixo: