Angélica e algumas das crianças de Bambuluá
Angélica e algumas das crianças de Bambuluá (Divulgação/TV Globo)

Em 09 de outubro de 2000, começando a “semana da criança”, a Globo colocava no ar o infantil Bambuluá, uma grande aposta no canal para elevar os índices de audiência de suas manhãs. O novo programa, idealizado por Roberto Talma e trazendo à frente a apresentadora Angélica, era uma novelinha infanto-juvenil, costurada por quadros diversos e desenhos animados.

Bambuluá era a “cidade dos sonhos de todas as crianças”. No local encantado, havia um chafariz de pipoca e as fachadas das lojas e casas eram todas coloridas e com motivos infantis. Além disso, próximo ao Jardim dos Pensamentos Felizes, ficava o Cristal de Bambuluá, uma pedra mágica que protegia a cidade do mal. Neste lugar mágico, o prefeito Teobaldo (Cosme dos Santos) e sua mulher, a agente dos correios Augusta (Dill Costa), inauguram a Lona Musical Passarim, um novo espaço para eventos. Para a inauguração, é convidada a cantora e apresentadora Angélica, que possui muitos fãs no local. No entanto, quando a artista está a caminho da cidade, é cercada por uma gangue de motoqueiros, e acaba salva por sete crianças superpoderosas, os Cavaleiros do Futuro.

Os Cavaleiros levam Angélica à Bambuluá, e lá, eles explicam que o Cristal lhes conferiu poderes para que eles pudessem proteger a cidade dos ataques de Magush, a “cidade das sombras”, um local sinistro chefiado pelo Senhor Dumal, um monstrinho virtual que pretende dominar a cidade vizinha. Ali, Angélica conhece os habitantes da cidade: a professora Amanda (Juliana Knust), o jardineiro Floriano (Jorge Teixeira), o doceiro Serapião (Anderson Müller) e Stela (Iris Bustamante), a mãe de Deco (Bernardo Marinho), o líder dos Cavaleiros do Futuro. Logo, Angélica descobre que possui um colar com uma pedra do Cristal de Bambuluá, que lhe foi conferida pelo mago Tchilin anos atrás. A partir daquele momento, ela estava predestinada a se unir aos Cavaleiros do Futuro e lutar contra o mal.

O mago Tchilin é o mentor de Angélica e os Cavaleiros do Futuro, e conta com a companhia do ser virtual Dubem. Mais adiante, é revelado que Tchilin foi o criador do Senhor Dumal, que era, na verdade, a primeira versão do Dubem que se corrompeu ao ser dominado pela ganância. E Angélica passa a ser uma peça-chave na luta contra Magush, já que ela se apaixona por Bruck (Pedro Vasconcelos), um replicante que ajuda Dumal em seus planos maléficos. Inicialmente um vilão, Bruck descobre que, na verdade, foi dominado por Dumal, pois era um dos primeiros protetores do local, num tempo em que Bambuluá e Magush eram um único local, conhecido como o Vale da Luz.

E assim, Angélica e os Cavaleiros do Futuro vivem várias aventuras tentando proteger Bambuluá das forças do mal, luta que fica mais difícil quando surgem os Cavaleiros das Sombras, time de vilões liderados pelo Senhor Dumal. No final da história, Angélica finalmente consegue salvar Bruck das forças do mal e, juntos, eles derrotam o Senhor Dumal, que foge definitivamente dali. Terminada a sua missão, Angélica vai embora de Bambuluá, deixando seus habitantes, os “sonhonhocas”, mais felizes.

Na cidade de Bambuluá ficava também a TV Globinho, uma emissora de televisão comandada por crianças. Escova (Charles Emmanuel), Matraca (Edmundo Albrecht), Xereta (Élida Muniz), Prego (Guilherme Vieira), Jujuba (Vivian Weyll), Minhoca (Flavia Aloy) e Pipoca (Tayna Silva) são os comandantes da programação, fazendo reportagens para o Jornal Globinho e exibindo desenhos animados, entre eles os sucessos Digimon, Sakura Card Captor e Dragon Ball Z. A TV Globinho exibia também vários quadros com histórias diferentes, como Irmãos em Ação, Iscavoka-Iscavoka, Garrafinha, Turma da Mônica na TV e As Aventuras de Zeca e Juca, entre outros. Angélica também participava da programação, em quadros como Caverna Moderna, SuperStar e Conexão Bambuluá.

Bambuluá era um programa extremamente grandioso e ambicioso, e foi uma resposta da Globo à boa audiência dos infantis concorrentes, o Bom Dia e Cia, do SBT, e Eliana & Alegria, da Record. A trama estreou quase quatro meses após o término do Angel Mix, infantil de Angélica que sofria com baixos índices de audiência. A cidade cenográfica possuía 3 mil m², e foi construída no mesmo local onde ficava o Tropical Towers Shopping, de Torre de Babel. Foi o último programa infantil de Angélica, que após seu fim abandonou a carreira direcionada ao público infanto-juvenil, sendo convidada a apresentar o quadro Video Game, do programa Vídeo Show.

Bambuluá foi escrita por Claudia Souto, Claudio Lobato, Bruno Sampaio, Sérgio Melo, Manuela Dias, Rodrigo Murat, Cristiane Dantas e Iara Sydenstricker, e foi dirigido por Márcio Trigo e Pedro Vasconcelos, com direção de núcleo de Roberto Talma. Seu tema de abertura era cantada pelo cantor Lenine, acompanhado de Angélica.

Leia também:

Há 26 anos, estreava a emblemática série infantil Mundo da Lua

Veja o último capítulo de Bambuluá:

Últimos vídeos do Canal no YouTube