Tony Ramos recebe Lilia Cabral no programa A Arte do Encontro desta quarta, no Canal Brasil

Lilia Cabral e Tony Ramos em A Arte do Encontro
Lilia Cabral e Tony Ramos em A Arte do Encontro (Divulgação/ Canal Brasil)

No ar em A Força do Querer, trama das 21h da Globo, Lilia Cabral encontra Tony Ramos para falar sobre fé, passagem de tempo e representação no A Arte do Encontro desta quarta, às 21h30 no Canal Brasil. A dupla lê trechos de escritores como Lya Luft e Armando Freitas Filho e uma passagem de “Romeu e Julieta” , clássico de Shakespeare.

Além disso, comentam o fato de nunca terem trabalhado juntos. “Ainda vamos nos encontrar representando…”, diz o apresentador. “Mas, Tony, quando isso vai acontecer? Não é possível. Teve uma vez que quase deu, mas depois não deu… também quando acontecer, não vai sobrar pedra sob pedra”

A seguir, leia partes da conversa:


Como você o mundo? (Suspiros) Parece que tem alguém lá em cima com um monte de vassoura tentando varrer, será que dá certo? Vamos limpar, tanta sujeira, tanta coisa, sem necessidade. Fico muito assustada! Na nossa juventude quanta coisa a gente fazia e não se preocupava, nós éramos livres, livres pra sair de casa, criar, se divertir, passear, e não temos mais a liberdade, vivemos com medo. Não só aqui, a Europa pode ser bombardeada, em qualquer lugar você tá com aquela sombra dos atentados. A sensação que tenho? Será que não dá pra varrer e começar tudo de novo? Não dá. E se a gente começasse a repensar nas nossas possibilidades de melhorar, cada um? Se a gente melhora, o outro também melhora.

Fé: Fui criada na religião católica, e conforme você vai crescendo e vai pra universidade, as religiões aparecem em todos os sentidos, todas. E eu sempre permaneci na religião católica. Eu não vou à missa todos os dias, agora também tenho uma porção de senões com o que não concordo, o problema da culpa, tudo é culpa, e eu abomino isso. Mas tem a história da fé, eu fui criada e acredito, então acredito em Nossa Senhora da Conceição, Santo Antonio. Eu fui criada assim, mas também fui criada com as reticências, você tem que ter fé, mas não ficar sentada esperando. Se você se projeta pra conseguir, por que não? Eu acredito e respeito todas as religiões, porque todas partem do principio de ter fé, claro, então eu respeito, mas fui criada na católica e é fé, fé, fé.

Muita gente interpreta errado, acha que o fato de você ser uma carola é que faz você conseguir e não é, não é nada disso, mas a fé na minha vida é e sempre foi muito importante, se você for à minha casa vai ver todos os santinhos e fotos de pessoas que já se foram, mas que parece que estão olhando pra mim, é bom, eu tenho um certo conforto.. como a gente imagina isso? Será que existe, será que não existe? Se eu for ficar pensando… é melhor sonhar.

Como vê a passagem do tempo? De uma forma tão bonita… ai, nossa (emocionada). Eu nunca passei dificuldades, mas teve coisas tão difíceis, mas valeu e está valendo.. Foi uma trajetória, né? E tem o seguinte, eu aprendi que a maturidade vale muito a pena, ir chegando nela é uma aceitação. Não adianta querer se impor, sempre levantar bandeiras com sua personalidade, é muito mais louvável você ir compreendo e aceitando que as coisas vão acontecendo. A partir do momento que comecei a aceitar as coisas foram acontecendo. Mas vou te dizer, até hoje é difícil. Penso ‘caramba, isso poderia ser mais fácil’. Mas não é… é difícil.

Representação: Total forma de sobrevivência, eu sobrevivo porque eu represento em todos os sentidos. Nada a ver com falsidade, a representação faz parte de uma postura social e não de um questionamento se você é mentiroso ou verdadeiro. As pessoas me conhecem há tantos anos, será que ainda duvidam do que a gente é? Mas a nossa sobrevivência é essa.