Conversa com Bial homenageia o humor de Renato Aragão nesta quinta-feira

Carmén Lúcia é a primeira convidada do Conversa Com Bial
Conversa Com Bial (Divulgação)

O Conversa com Bial falará sobre a trajetória de Renato Aragão. Na quinta-feira, dia 7, o eterno trapalhão conta sobre o começo de sua carreira, os amigos, Os Trapalhões, e a volta do humorístico que marcou época.

Não é à toa que Os Trapalhões entrou no livro dos recordes como o programa humorístico de maior duração da TV. Com trinta anos de exibição, o grupo estrelado por Didi, Dedé, Mussum e Zacarias é considerado um dos maiores fenômenos de popularidade e audiência no Brasil em toda a história.

Agora, ganhou uma nova trupe, com jovens atores e muita disposição para encher o público de gargalhadas. “Eles têm um grande desafio pela frente”, analisa Renato Aragão, no papo com o apresentador. Protagonizado por Didico (Lucas Veloso), Dedeco (Bruno Gissoni), Mussa (Mumuzinho) e Zaca (Gui Santana), o novo humorístico estreia neste mês na Globo, com direção geral de Fred Mayrink, redação final de Péricles Barros e supervisão de texto de Mauro Wilson. Ao lado de Pedro Bial, Renato Aragão revê um vídeo em que dá a “bênção” aos novos integrantes, vestido de “Mestre Yoda”. “Confio plenamente no trabalho desses meninos”, diz.


Para Renato, a concepção do que poderia ser engraçado demorou para aparecer em sua vida. Sua maior influência veio de um grande ator cômico hispano-brasileiro, sucesso nas décadas de 30 e 40. “Quando eu era pequeno, nem sabia o que era humor. Minha vida foi mudada por Oscarito, que assisti quando era adolescente. Ele me transformou”, conta o artista, orgulhoso. Ele relembra, ainda, como se inspirou em Charles Chaplin para fazer o cômico Didi, e ressalta a importância que o amigo e humorista Golias teve em sua vida. “Tive uma amizade muito forte com ele. Eu o admirava como amigo e comediante maravilhoso. Me ajudou muito”, conta.