Globo não consegue registrar “plim plim” na Europa, por ser considerado banal

Órgão europeu classificou como
Órgão europeu classificou como "banal e trivial" o som plim-plim

O famoso “plim plim” da Globo, bem conhecido aqui no Brasil como uma marca quando os filmes vão e voltam do intervalo comercial, não conseguiu registro na Europa. A decisão foi do Tribunal-Geral da União Europeia, que rejeitou na terça-feira (13) a apelação da emissora para registrar o mesmo. Antes, o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia também tinha dado um retorno negativo. Com informações do site IG.

O EUIPO, sigla em inglês, informou que o som não tem “qualquer caráter distintivo” e que se trata de algo “banal e trivial”. O órgão acredita que o telespectador até poderia se confundir, pensando que o ruído faz parte de um dispositivo móvel, e não uma marca sonora de uma emissora.

“Uma vez que a marca pedida é desprovida de carácter distintivo, o tribunal considera que o EUIPO não cometeu nenhum erro ao se recusar a registrá-la”, acrescentou.


No Brasil, a regra é a mesma, mas a marca sonora da Globo foi aprovada pela força do caráter visual do símbolo. O Instituto Nacional de Propriedade Intelectual concedeu o direito da emissora usá-lo em 1979.

“O ruído foi encomendado em 1971 pelo diretor da emissora, José Bonifácio, o Boni, que desejava algo que pudesse ser ouvido a quadras de distância e que fizesse a família voltar para a frente da TV. A ideia foi executada por Mauro Borja Lopes, o Borjalo”, informa o site Memória Globo.

Procurada pela publicação, a Globo não comentou sobre o assunto.