José de Abreu justifica cusparada e defende governo Dilma e o PT ao vivo no Faustão

José de Abreu no Faustão
José de Abreu não gostou de ser convocado para CPI

José de Abreu foi o convidado deste domingo (24) para ser homenageado no Arquivo Confidencial, do Domingão do Faustão. Coincidentemente, quadro foi ao ar exatamente na semana quando o ator se envolveu em uma polêmica briga em um restaurante, que deu o que falar.

José de Abreu briga em restaurante e cospe em casal: “Fui ofendido”

José de Abreu desabafou ao vivo no palco do programa e justificou o motivo da cusparada que aconteceu em um restaurante japonês de São Paulo.


“Foi reação de um ser humano normal. A minha primeira reação de partir para a briga eu consegui conter. A segunda, não. O casal me xingou de ladrão, ofendeu a minha mãe, provocava sem parar e xingou a minha esposa de vagabunda. Não é possível que pessoas que pensem diferente não possam dividir o mesmo local. O cuspe foi um ato impensado”, declarou.

Conhecido por apoiar o governo Dilma do PT, o ator defendeu a presidente contra o processo de impeachment. “O Cunha é ladrão, gente… O Cunha não pode tirar a Dilma. Com a Dilma não tem esse negócio de whyskinho, de socializar e fazer happy hour com outros políticos. O Lula até tinha paciência para isso. A corrupção está sendo mostrada pela primeira vez nesse país”, afirmou.

Já Faustão, que é contra o governo atual, fez questão de frisar que a entrevista com José de Abreu foi agendada antes de o ator se envolver na briga.

No fim da conversa, o apresentador aproveitou para pedir o fim da intolerância política no Brasil. “Não importa se você concorda ou não. Você tem que ter o direito de falar. Não concordo com muita coisa que diz o Zé, mas ele não é meu inimigo”, afirmou Faustão sob aplausos da plateia.