Globo promove lançamento de Velho Chico

Lançamento Velho Chico

A Globo reuniu elenco e jornalistas no lançamento da nova noveça das 21 horas, Velho Chico, que substitui A Regra do Jogo a partir de segunda-feira (14). O evento aconteceu no recém inaugurado Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro e mostrou o que o público pode esperar da trama de Benedito Ruy Barbosa que fala de amor pelo rio, pela natureza, pela terra, pelo Brasil.

No palco, estavam o diretor artístico Luiz Fernando Carvalho e as três gerações que levam ao ar a saga da próxima novela das nove, Benedito Ruy Barbosa, sua filha Edmara Barbosa e seu neto, Bruno Luperi.

O local da festa foi escolhido exatamente por convidar o público a refletir sobre o amanhã, assim como a novela Velho Chico que pretende levar o telespectador a uma viagem que atravessa gerações, com a história de um grande amor que supera o tempo.


O rio São Francisco foi a grande inspiração para a festa, desde a idealização do evento até a sobremesa do cardápio. Uma exposição interativa recebeu os convidados, provocando um incrível passeio pelas curvas deste rio, representado pelos espaços do museu.

Logo na entrada, uma enorme carranca, cercada por lendas misteriosas, como a da temida serpente da ilha do fogo, que presa por três fios do cabelo de Nossa Senhora testemunha juras de guerra e paz. No corredor lateral do museu, que representa a margem do rio, duas pequenas casas ribeirinhas recriavam o vilarejo onde o visitante poderia entrar e conhecer histórias de amor que foram compartilhadas pelo público através da plataforma redeglobo.com.br/riosdeamor. Os depoimentos emocionantes fazem parte da ação especial “Rios de Amor”, um coletivo de romances inesquecíveis.

Em seguida, o público pôde apreciar as exuberantes imagens das paisagens naturais produzidas ao longo das gravações de Velho Chico pelo Nordeste. As fotos foram exibidas na vela de um dos maiores símbolos do São Francisco, a canoa de tolda. As toldas são embarcações típicas da região e adaptadas para descer o rio, a favor do vento, com o pano aberto. Os figurinos de alguns personagens da novela e outras indumentárias originais da região também compuseram a exposição. Na outra lateral do museu, 160 cidades que cortam o rio foram homenageadas por balões iluminados, com tags onde estavam impressos os nomes destes locais.

O cardápio foi criado especialmente para o evento por Flávia Quaresma e sua equipe, baseado em pesquisas sobre as características culinárias de cada região por onde passa o rio São Francisco. Entre as iguarias servidas estavam: peixe no cajú e crocante de aipim, bruscheta de ratatuile do sertão e queijo de cabra, couscous de milho, linguiça artesanal, cebola crocante e queijo araxá, bobó de camarão e farinha de copióba, paçoca de pato, banana passa e castanha de caju, bolo de rolo, queijadinha com queijo artesanal, entre outros. E o Nordeste, onde é ambientada a novela, esteve representado também na pista de dança, comandada pela DJ Lili Prohmann. Em suas viagens pelo interior do país, ela se apaixonou pelos ritmos regionais, entre eles o coco, o maracatu, o samba de roda e a ciranda.