Em crise, Diários Associados enfrentam greve de funcionários

Diários Associados

A TV Alterosa, um dos principais veículos do grupo Diários Associados em Minas Gerais, vem sofrendo sucessivas paralizações de funcionários desde dezembro. O motivo dos protestos tem sido pelo pagamento do 13º salário e de outros direitos trabalhistas que não tem sido cumpridos pela empresa (pagamento de férias, vale alimentação e vale transporte, recolhimento de FGTS e Previdência, além de plano de saúde).

Na última segunda (18), uma nova paralisação ocorreu, exigindo que o 13º fosse pago integralmente hoje, sob o risco de agravamento do movimento que poderá resultar em greve. Nesta quarta (20), os trabalhadores se reunirão em assembleia para avaliar a continuidade das paralisações.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais se manifestou sobre o movimento grevista dos profissionais que trabalham nos Diários Associados, que avaliou que, ao contrário do que diz o grupo de comunicação, não faltam recursos para quitação dos compromissos com os funcionários.


“O que vem acontecendo é que os Diários Associados privilegiam os lucros dos seus condôminos em prejuízo do cumprimento das obrigações trabalhistas” – diz um trecho da nota, que afirma ainda ter provas da existência de fundos para o pagamento dos salários e direitos. “Provas disso são o pagamento integral do 13º dos gráficos, quando os jornais correram risco de não serem impressos; pagamento de 25% do 13º quando os trabalhadores da TV Alterosa pararam pela primeira vez; pagamento integral dos trabalhadores da emissora no interior, quando aderiram ao movimento; pagamento de outra parcela do 13º quando trabalhadores da emissora e do jornal decidiram nova paralisação, na semana passada”.

Os jornalistas que trabalham nos Diários Associados do Rio de Janeiro e Brasília manifestaram apoio ao movimento grevista mineiro, que também contou com apoio da Federação Nacional dos Jornalistas. As manifestações de apoio vieram após a paralisação ocorrida em 29 de dezembro, onde a direção da TV Alterosa chegou a acionar o Batalhão de Choque da Polícia Militar na porta da emissora, na tentativa de intimidar os manifestantes.