Exclusivo: condições de trabalho no Programa do Gugu são precárias


Programa do Gugu

O clima na produção do Programa do Gugu não está nada bom. A atração é produzida na GGP, produtora do Gugu Liberato, localizada em Barueri, na Grande São Paulo e os profissionais que atuam no programa reclamam das péssimas condições de trabalho.

O Observatório da Televisão teve acesso a informações exclusivas sobre os bastidores do Programa do Gugu e relatamos abaixo as queixas, que são muitas. Segundo a fonte, a insatisfação é geral.


“A galera anda bem insatisfeita com tudo aqui. Tá tudo muito bagunçado”, declara a fonte.

O volume de trabalho é grande e o número de profissionais e equipamentos são insuficientes para a realização de um trabalho de qualidade.

São apenas três editores de vídeo, para uma demanda que exige pelo menos seis. Não tem ilha de edição suficiente e são frequentes os dias que os profissionais cumprem uma carga horária exagerada de muitas horas, bem além do normal.

Os jornalistas do Programa do Gugu sabem a hora de entrar, mas não tem hora para sair. Chegam cedo e o trabalho se estende numa rotina sem fim.

O amadorismo por parte dos responsáveis pelo Programa do Gugu é de impressionar, de acordo com a fonte, tudo é feito às pressas.

“Fica tudo pra em cima da hora. Você está numa ilha dai te tiram da ilha porque tem matéria que tem que entrar primeiro. Em cima da hora o Vildomar (diretor) chega e manda cortar tudo e refazer.”

Uma total falta de organização e planejamento que tem refletido diretamente no programa ao vivo. Desde que estreou na quarta-feira (25), as falhas técnicas têm acontecido repetidas vezes.

A última foi na noite desta terça-feira (03), quando a cantora Wanessa teve problemas com o áudio durante sua apresentação no palco.

Por problemas na produção, a cantora e o “playback” não se entenderam e a apresentação ao vivo ficou entre o hilário e o constrangedor para quem estava vendo em casa.

Os profissionais que atuam na produção do Programa do Gugu reclamam, ainda, que pelas condições ruins de trabalho, eles recebem mal. Eles são contratados pela GGP como freelancer temporário e pessoa jurídica, famoso PJ.

Apesar de o Programa do Gugu ter estreado na semana passada, a rotatividade na produção já é considerável. Insatisfeitos, alguns já saíram e foram substituídos, outros cogitam deixar o trabalho se as condições não melhorarem.