Roteirista

Todas as produções audiovisuais, entre elas cinema e televisão começam com uma ideia e um roteiro, que é a base da produção, da novela, do filme, da série. É a obra no papel, antes de ser colocada em prática.

Para ser roteirista não é obrigatoriamente necessário cursar uma faculdade de cinema ou rádio e TV, mas todo conhecimento é válido e é sem dúvida uma porta de entrada para experimentar, fazer contatos e dar os primeiros passos na profissão. Cursos específicos, no Brasil e no Exterior, também fornecem as ferramentas e técnicas para transformar as idéias em um roteiro. O Senac oferece cursos na área e as emissoras como a Globo também realizam oficinas de roteiro.

O mercado não é dos mais abertos, é dificil conseguir um lugar ao sol, como em todas as áreas do audiovisual, que tem vagas bastantes restritas. A Televisão e o cinema são os maiores contratadores, mas também produtoras apresentam boas chances de trabalho para o roteirista.


Gostar de escrever, ser criativo, curioso, atento a realidade são requisitos necessários para um roteirista. De maneira geral um roteiro conta uma história baseada em fatos e personagens reais ou ficcionais. Ler, assistir filmes, séries, novelas e desenhos é muito importante para que você perceba os variados estilos de cada obra, cada roteirista e desenvolva seu próprio estilo, sua marca.

Dominar outros idiomas como inglês e espanhol também é recomendável, muitas das produções são estrangeiras e o ideal é conhecer a versão original dos trabalhos, nessa caso falar outra língua é imprescidível. Dominar novas tecnologias, entender também de câmeras, ângulos, iluminação, som, figurino, estilos, caracterização é necessário, assim você será capaz de escrever e já imaginar a cena, como se estivesse pronta e detalhar cada ponto para que o diretor possa executar a gravação exatamente como o roteirista criou.

Treinar, escrever e reescrever nunca é demais. Lembre-se que um roteiro descreve os cenários, as cenas, as ações, as falas dos personagens. As cenas e situações precisam ser apresentadas de maneira correta, na hora certa, criando expectativa, provocando choro, risos. O mais importante é colocar cada coisa no lugar certo, pensada de maneira correta, criando o esquema ou guia exato para levar o público até o final da história. Texto corrido não é roteiro. Para virar um roteiro, esse texto tem ser dividido em cenas, em situações, cada uma acrescentando um pouco mais na história e conduzindo o público pela narrativa.

Quando você sentir que criou seu primeiro roteiro digno de se tornar uma produção, tente fazer você mesmo, de forma caseira as gravações e depois tente encontrar alguém que acredite na sua ideia, no seu trabalho.

Divulgue seu trabalho em sua rede de contatos, envie uma cópia para produtoras, emissoras de televisão e estúdios de cinema. Mas lembre-se de registrar sua obra antes de qualquer divulgação, caso contrário, sua ideia pode ser roubada sem lhe dar nenhum crédito.