Campanha Eu Sou a Universal é verdadeira

Eu-sou-a-Universal.

Em 2 de abril de 2014 o Observatório da Televisão publicou uma nota afirmando que os depoimentos dados para a gravação da campanha “Eu Sou a Universal”, da Igreja Universal do Reino de Deus, seriam armados. A nota, com informações de uma fonte em off, dizia que atores haviam sido contratados para representarem histórias de pessoas que se tornaram bem sucedidas, após se tornarem fiéis da Universal.

O assunto gerou muitos comentários e em contato com o Observatório, o UNIcom – Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal afirmou que não houve armação e garantiu que os personagens que se apresentam nos vídeos não são atores contratados e sim membros fiéis da IURD. A assessoria nega ainda que as histórias relatadas nos vídeos sejam ficcionais.

A Igreja Universal afirma que “todas as 22 narrativas foram apresentadas por quem as vivenciou e sem qualquer tipo de remuneração.” As pessoas são de fato membros da igreja, que aceitaram contar a guinada positiva e próspera que suas vidas tomaram, após se tornarem membros da Universal, sendo assim exemplos para outros fiéis.


O Observatório da Televisão então foi em busca de comprovações junto a sua fonte em off e não obteve provas que sustentasse a falsa denúncia. Optamos então por tirar a nota do ar e abrimos espaço para uma retratação. Preferimos confiar nas afirmações de uma instituição séria como a IURD e reafirmamos que o Observatório da Televisão foi induzido ao erro por uma fonte mal intencionada, que mentiu ao dizer que os vídeos da campanha “Eu Sou a Universal” são armados. Diante do exposto assumimos a falha na apuração e o erro por publicar uma nota com informações totalmente falsas.

Sendo assim nos retratamos e reafirmamos que fomos vítimas de uma fonte sem credibilidade. Não estamos aqui para ir contra ou a favor de qualquer denominação religiosa. Este é um canal de informação sobre televisão. Pecamos por não ouvir ambas as partes envolvidas antes da publicação da nota e pedimos desculpas pela falha na conduta e ética jornalística.

Confira um, dos 22 depoimentos, que tem sido veiculado, há cerca de um ano, em emissoras de televisão:

Confira na íntegra o e-mail enviado pela UNIcom – Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal:

Senhor jornalista,
 
Com referência ao texto “Depoimentos da Igreja Universal são armados”, publicado no portal “Observatório da Televisão”, de sua propriedade, informamos que a Igreja Universal do Reino de Deus jamais utilizou “atores contratados” na realização da campanha “Eu sou a Universal”, ou produziu histórias ficcionais. Todas as 22 narrativas foram apresentadas por quem as vivenciou e sem qualquer tipo de remuneração.
 
A prática do bom jornalismo estabelece que a fonte “em off” – quando o autor da denúncia não é identificado no reportagem – não é base única para publicação de matéria em nenhum veículo de Comunicação Social sério. Nesse caso, é imperativo que se apurem outras provas, depoimentos ou fontes. O que, a reportagem em questão não conseguiu nem conseguirá, pois o texto é um apanhado de mentiras.
 
A Universal lamenta que, sem a necessária verificação, o site “Observatório da Televisão” tenha publicado tais informações danosas à instituição sem sequer procurá-la para atestar sua veracidade. Assim, exigimos a imediata retirada do texto difamatório do ar, com a publicação de uma retratação com igual espaço e destaque no portal, sem embargo de outras providências que a igreja poderá adotar para reparar o dano causado à sua imagem, de seus membros e fieis.
UNIcom – Departamento de Comunicação Social e de Relações Institucionais da Universal