Rita (Flávia Alessandra) chora a morte do marido
Rita (Flávia Alessandra) chora a morte do marido Machado (Milhem Cortaz), em O Sétimo Guardião, na Globo (Globo / Divulgação)

Muito antes de entrar no ar, a novela O Sétimo Guardião chamou a atenção da audiência. A trama prometeu voltar ao clássico realismo fantástico que encantou brasileiros outrora. Quem não se lembra dos sucessos Tieta e Roque Santeiro? Ambas as novelas têm a mão de Aguinaldo Silva, responsável por brigar até o fim para que a história de Serro Azul ganhasse o horário nobre da Globo em 2018.

Apesar do alto investimento, a trama logo de cara não encantou os telespectadores. Os atores acabaram não entregando aquele patamar de carisma que uma produção desse porte exige. Para piorar a maioria dos personagens são incompreendidos. De novela inovadora, O Sétimo Guardião passou a ser mais uma novelinha com uma história cheia de pontas e mudanças que a transformam em algo menos coeso.

Na reta final, para chamar a atenção dos telespectadores, um velho recurso passou a ser usado: o assassino misterioso. Agora, Serro Azul tem um serial killer que, com uma facilidade invejável, consegue apagar a turma que guarda a fonte. Ele não deixa nenhum vestígio. Críticas à parte, outras produções, algumas com sucessos estrondoso, também tiveram um matador em série.

Desde os anos 90, pelo menos, esse personagem acaba surgindo para mexer com a trama, às vezes, até acabar com personagens chatos. Em O Sétimo Guardião, já foram dois: Machado, interpretado pelo ator Milhem Cortaz, e, na noite desta quinta-feira (11), vai ao ar uma cena em que Feliciano aparecerá morto. E da mesma forma que o anterior.

A sangue frio

Apesar de que ainda é um mistério a identidade do serial killer de O Sétimo Guardião, relembre os principais assassinos em série dos últimos anos nas novelas brasileiras.

Rosana (Thalita Castro), de Amigas e Rivais, no SBT
Rosana (Thalita Castro), de Amigas e Rivais, no SBT (Reprodução)

Rosana

Rosana não era uma global, mas conseguiu chamar a atenção do público. Interpretada pela atriz Talita Castro, a personagem foi uma grata surpresa da fracassada versão brasileira de Amigas e Rivais, (data) do SBT. A ruiva se destacou mais do que os protagonista, ao começar a matar personagens como a pobre Joaninha (Márcia de Oliveira).

Adma (Cássia Kis Magro), de Porto dos Milagres
Adma (Cássia Kis Magro), de Porto dos Milagres (Reprodução)

Adma

Se há uma assassina inesquecível, ela é Adma, de Porto dos Milagres (2001). Ambiciosa começou a matar para tirar do seu caminho personagens que pisavam no seu calo. A forma escolhida para as mortes era considerada uma das mais terríveis. A personagem de Cássia Kis Magro envenenava seus personagens com um pozinho que guardava em um anel.

Flora (Patrícia Pillar), de A Favorita, na Globo
Flora (Patrícia Pillar), de A Favorita, na Globo (Reprodução)

Flora

Essa vilã marcou a geração da década passada depois de uma virada na história de A Favorita (2008). Flora, de Patrícia Pillar, chegou se passando por inocente, depois de ter passado anos na cadeia por assassinato. O objetivo era provar que foi injustiçada e recuperar o amor de sua filha. Mas, ao se revelar a grande vilã, a personagem precisou tirar do seu caminho alguns personagens para seguir com seu plano. Na sua lista de mortes, padeceram mais de 8 personagens, incluindo, Vilma, a cadelinha do protagonista Zé Bob (Carmo Dalla Vecchia).

Escadas e injeções

Adalberto (Cecil Thiré), de A Próxima Vítima, na Globo
Adalberto (Cecil Thiré), de A Próxima Vítima, na Globo (Reprodução)

Adalberto

Esse vilão assassino entrou para a história das novelas. Adalberto, de Cecil Thiré, paralisou o Brasil com seus assassinatos em série em. Desde o primeiro capítulo de A Próxima Vítima (1994), ele matou. O objetivo era se proteger de um outro assassinato, por queima de arquivo. Nem os personagens, nem o público sabiam quem era o serial killer, descoberto com grande comoção no último capítulo da trama.

Vilã da novela "Senhora do Destino" foi destaque na carreira da veterana (Divulgação/TV Globo)
Nazaré (Renata Sorrah), de Senhora do Destino (Divulgação/TV Globo)

Nazaré

Uma das vilãs mais lembradas dos últimos tempos, Nazaré, de Senhora do Destino (2004), teve seu caráter exposto para o público desde que apareceu em cena. Para os personagens, ela se passava por boazinha. Depois de roubar o bebê da protagonista, fez de tudo para manter o segredo e impedir que a garota descobrisse a verdade. A personagem de Renata Sorrah matou seus inimigos empurrando-os de uma escada.

Lívia (Cláudia Raia), de Salve Jorge
Lívia (Cláudia Raia), de Salve Jorge (Reprodução)

Lívia

O público conheceu Lívia em Salve Jorge (2012), depois de Carminha, de Avenida Brasil. Não foi fácil gostar dela. A falta de carisma, nenhum apelo popular e muito deslocada do núcleo central, a personagem de Claudia Raia ralou para ganhar destaque. Isso só ocorreu quando passou a eliminar quem entrasse no seu caminho com uma seringa.

Débora (Ana Lúcia Torre), de Alma Gêmea, na Globo
Débora (Ana Lúcia Torre), de Alma Gêmea, na Globo (Reprodução)

Débora

Débora é uma vilã icônica e muito bem realizada por Ana Lúcia Torre. A personagem era a grande mentora da antagonista Cristina, de Flávia Alessandra, em Alma Gêmea (2005) mas começou a agir diretamente contra os inimigos. Envenenou várias pessoas em Alma Gêmea e se vangloriava por ser tão astuta. Até que, por engano, acabou literalmente provando do próprio veneno e entrou para a história das novelas.

Tesouradas

Sophia (Marieta Severo) de O Outro Lado do Paraíso (Divulgação/TV Globo)
Sophia (Marieta Severo) de O Outro Lado do Paraíso (Divulgação/TV Globo)

Sophia

Ruim de doer, Sophia sempre foi muito ambiciosa em O Outro Lado do Paraíso (2017). Tinha sede pelo poder, pelo dinheiro. Para se manter rica, com a exploração de esmeraldas nas terras da protagonista, começou a matar. Assassinou a tesouradas todos aqueles que lhe ameaçaram de alguma forma. O objetivo era manter a pose de nobreza de Palmas. Não adiantou muito porque foi descoberta e punida.

Laureta (Adriana Esteves) de Segundo Sol
Laureta (Adriana Esteves) de Segundo Sol (Divulgação/TV Globo)

Laureta

De cafetina a assassina, Laureta surpreendeu. O que era para ser uma vilã secundária, acabou se tornando o centro da novela Segundo Sol (2018). A personagem de Adriana Esteves começou a matar seus rivais com uma bolha de ar, injetada na veia por uma seringa. Ela fazia isso com muita frieza e não deixa vestígios.

Últimos vídeos do Canal no YouTube