João Pedro (Marcos Palmeira) e o "painho" José Inocêncio (Antonio Fagundes) em Renascer (Divulgação/TV Globo)

Há 25 anos, em 13 de novembro de 1993, a Rede Globo exibia o capítulo final de uma de suas novelas de maior sucesso: Renascer, de Benedito Ruy Barbosa. A história divide o posto de mais vista do horário das 20h (hoje 21h) na década de 1990 com Rainha da Sucata (1990), de Silvio de Abreu.

Na ocasião, Benedito voltava à emissora após uma mais do bem-sucedida passagem pela Rede Manchete. Após anos relegado ao horário das 18h na Globo, foi na emissora de Adolpho Bloch que ele conseguiu realizar Pantanal (1990). Um projeto que lhe era muito especial e que marcou um grande momento da teledramaturgia brasileira.

Saiba quais foram as novelas de maior audiência da história da Globo em cada horário

A trama principal de Renascer

José Inocêncio (Antonio Fagundes) fez fortuna como produtor de cacau no interior da Bahia. E fez espalhar-se uma extensa mitologia em torno de sua figura, supostamente livre da morte graças a um pacto com a terra. Um facão fincado num pé de jequitibá-rei garante sua imortalidade: enquanto o facão lá estiver, ele seguirá vivo. Quer seja de “morte matada”, quer seja de “morte morrida”, o “painho” seguirá livre, firme e forte à frente de seus negócios.

Ele carrega uma grande mágoa. Seu grande amor, a primeira esposa, Maria Santa (Patrícia França), morreu ao dar à luz o quarto filho do casal. João Pedro (Marcos Palmeira), rapaz de fibra, o mais parecido com o pai, é justamente o único rejeitado por ele. Ao longo da vida lhe são negados vários privilégios, restritos aos irmãos. José Augusto (Marco Ricca), José Bento (Tarcísio Filho) e José Venâncio (Taumaturgo Ferreira) foram estudar em grandes centros, fizeram a vida longe das fazendas de cacau. No entanto, jamais abriram mão do dinheiro vindo da dura lida diária dos muitos empregados, entre os quais João Pedro se sente bem e é feliz. Considerado pelo coronel o responsável pela morte da esposa, João Pedro teve em Deocleciano (Roberto Bomfim) e Morena (Regina Dourado) seus pais.

Mariana e seu plano de vingança

A situação entre pai e filho se acirra quando surge a bela jovem Mariana (Adriana Esteves). Ela desperta o amor de João Pedro logo que ele a conhece. O rapaz a leva para trabalhar na fazenda desconhecendo suas reais intenções. Ela é neta de Belarmino (José Wilker), antigo inimigo de José Inocêncio, e deseja vingança. No entanto, Mariana acaba se apaixonando pelo “painho”, como o chama, e João Pedro é obrigado a esquecer o que sente por ela. Especialmente quando os dois se casam, para desagrado também dos outros filhos de José Inocêncio. Eles exigem que a partilha da herança seja feita antes da união, já que pretendem preservar o patrimônio.

Outros personagens marcantes de Renascer

É impossível falar de Renascer sem citar alguns personagens coadjuvantes bastante marcantes. Um deles é Rachid (Luís Carlos Arutin), grande amigo de José Inocêncio, segundo o qual teria lhe costurado de volta a pele arrancada por jagunços, usando agulha e linha. Libanês, chamado por todos de “turco”, Rachid representa a chance de felicidade para Yolanda (Eliane Giardini), a infeliz esposa de Teodoro (Herson Capri). Vizinho de José Inocêncio, invejoso e ambicioso, ele deseja para si as terras do coronel.

Outro tipo inesquecível é o humilde e sofrido Tião Galinha (Osmar Prado). Junto à esposa Joaninha (Tereza Seiblitz), ele catava caranguejos pelos mangues. Crédulo numa história contada por José Inocêncio a respeito de um demônio numa garrafa, que seria sua garantia de sorte e fortuna, Tião se agarra a essa esperança. Anteriormente, o entrecho do cramulhão, do coronel contador de histórias e do pobre crédulo já havia sido explorado por Benedito. Em Paraíso (1982/83), era João das Mortes (Lima Duarte) quem se deixava levar por Eleutério (Cláudio Corrêa e Castro).

Buba e a identidade de gênero

Com toda a certeza, a hermafrodita Buba (Maria Luiza Mendonça) também marcou. Tanto pela abordagem inédita da questão da identidade de gênero a partir de sua condição física, quanto pela relação dela com dois dos filhos de José Inocêncio. E também por sua ligação a Teca (Paloma Duarte), menina que Buba resgata da vida nas ruas.

Inácia (Solange Couto na primeira fase e Chica Xavier na segunda) é outra personagem querida. Espécie de governanta da grande casa da fazenda, idolatra o patrão José Inocêncio e cuida de toda a família. Depois da morte de Maria Santa, ajudou-o a criar os quatro filhos como se fossem seus.

Ainda, convém destacar a grande química entre Leonardo Vieira e Patrícia França. Embora a primeira fase dure poucos capítulos, o par dos dois deu tão certo que foi resgatado na produção seguinte do horário das 18h, Sonho Meu, de Marcílio Moraes.

Sonho Meu: 25 anos de um sucesso das 18h até hoje não reprisado

Uma intercorrência: a saída de Taumaturgo Ferreira de Renascer

Taumaturgo Ferreira deixou o elenco de Renascer antes do final. A saber, seu personagem acabou morto, numa tocaia preparada por Teodoro para dar fim a João Pedro. Na época, divulgou-se que a emissora não gostou de sua construção do personagem e decidiu excluí-lo do elenco. Benedito Ruy Barbosa e o diretor-geral Luiz Fernando Carvalho não declararam qualquer insatisfação com Taumaturgo.

Benedito disse que guardava na manga um curinga e havia chegado a hora de usá-lo. Para evitar a criação de uma barriga, desde a sinopse se pretendia matar um dos filhos de José Inocêncio. Com efeito, o próprio Taumaturgo disse ter sugerido a Benedito que “o matasse”, uma vez que José Venâncio não tomaria jamais a decisão de viver numa fazenda do interior baiano, sofisticado e urbano como era. Só para ilustrar, o ator deixou a novela por volta do capítulo 60.

Vale a Pena Ver de Novo versus Canal Viva: por que não se deve esperar o mesmo das reprises dos dois

As reprises de Renascer

Renascer já voltou às telas em duas ocasiões nesses 25 anos. A primeira, na sessão Vale a Pena Ver de Novo, foi entre agosto de 1995 e março de 1996. Depois disso, apenas em novembro de 2012 a história voltou ao ar, agora no Canal Viva.

Uma curiosidade envolve a apresentação do último capítulo. Mais longo do que o habitual, ele não poderia ser apresentado inteiro na sexta-feira para reprise no sábado, como de hábito. Posto que na sexta foi realizada a partida entre Internacional e São Paulo, na disputa por uma da vagas na semifinal do Campeonato Brasileiro, a Globo decidiu não deixar de transmitir o jogo. Em virtude disso, o último capítulo foi dividido entre a sexta e o sábado. Ao passo que a reprise do conteúdo integral ocorreu no domingo, depois do Fantástico.

Conheça nosso canal no YouTube