Logotipo da segunda versão da novela Pecado Capital (Reprodução/TV Globo)
Logotipo da segunda versão da novela Pecado Capital (Reprodução/TV Globo)

Em 5 de outubro de 1998, estreou o remake de Pecado Capital no horário das 18h da Rede Globo. A novela de Janete Clair, exibida em 1975/76, era agora atualizada por Glória Perez. Nos 15 anos de sua morte, Janete era homenageada com a releitura de um de seus maiores sucessos.

A emissora seguia com um ciclo de remakes, que deram bons resultados especialmente com Mulheres de Areia (1993) e A Viagem (1994), ambas de Ivani Ribeiro. Poucos meses antes, o mesmo horário das 18h exibira Anjo Mau, com texto de Maria Adelaide Amaral a partir do original de Cassiano Gabus Mendes. O clássico samba que embalou a abertura do original na voz de Paulinho da Viola foi regravado pelo conjunto Só pra Contrariar.

Há 93 anos nascia Janete Clair, a senhora dos sonhos às oito

A história principal de Pecado Capital

José Carlos Moreno, o Carlão (Eduardo Moscovis) mora no subúrbio de Marechal Hermes, Rio de Janeiro. Trabalha como taxista e vive com o pai, Raimundo (Roberto Bomfim). Sua vida começa a mudar quando aceita forçosamente como passageiros Miguel (Marco Ricca) e Eunice (Cássia Kiss). Eles acabam de sair de um assalto a banco e carregam o fruto do crime. Miguel desembarca primeiro, após marcar encontro com Eunice para logo mais. Em seguida é morto pela polícia. Desnorteada, já que entrou de gaiata no assalto, ao descer do táxi Eunice acaba esquecendo a mala com 2 milhões de reais. Nervoso com o ocorrido, Carlão vai para casa mais cedo. Só ao chegar descobre a bolada.

Carlão (Eduardo Moscovis) e a mala de dinheiro que mudou sua vida (Reprodução/TV Globo)
Carlão (Eduardo Moscovis) e a mala de dinheiro que mudou sua vida (Reprodução/TV Globo)

O taxista é noivo de Lucinha (Carolina Ferraz), operária numa fábrica. Ela deseja mudar de vida, e ao ser descoberta pelo publicitário Nélio (Alexandre Borges) tem a chance de concretizar seu sonho com uma carreira de modelo. O ciúme de Carlão acaba por levar o relacionamento à ruína. Lucinha se envolve justamente com o dono da fábrica onde trabalhava: Salviano Lisboa (Francisco Cuoco).

Salviano (Francisco Cuoco) e Lucinha (Carolina Ferraz) no remake de Pecado Capital (Divulgação/TV Globo)
Salviano (Francisco Cuoco) e Lucinha (Carolina Ferraz) no remake de Pecado Capital (Divulgação/TV Globo)

Salviano é um viúvo solitário, embora tenha seis filhos. Ergueu do nada o grande patrimônio representado pelas empresas do grupo Centauro. Redescobre o amor e a felicidade ao lado de Lucinha. No entanto, a oposição dos filhos ao romance e o ciúme dele, que não quer que a moça siga na carreira de modelo, são fatores complicadores. Ainda, a presença de Laura (Vera Fischer), cunhada de Salviano, bem como o fato de Lucinha não ter superado seu amor por Carlão, terminam por separar o casal.

Eunice, a infeliz

Eunice (Cássia Kiss), cuja vida vira do avesso após o assalto ao banco (Reprodução/TV Globo)
Eunice (Cássia Kiss), cuja vida vira do avesso após o assalto ao banco (Reprodução/TV Globo)

Todavia, a essa altura Carlão já está casado com outra. Ninguém menos do que Eunice, com quem ele simpatiza ao acompanhar seu drama na cadeia, envolvida no assalto. Apaixonada, mesmo depois de reconhecê-lo como o taxista que ficou com o dinheiro ela troca uma denúncia às autoridades por um casamento. Se antes ela vivia entediada e sozinha, com as ausências do marido Ricardo (Luís Melo), piloto de avião, Eunice passa a lidar com o jeito rude de Carlão, a sombra de Lucinha e a oposição do sogro Raimundo.

Os filhos de Salviano Lisboa

Especialmente a filha Vilma (Paloma Duarte) rende grandes tristezas a Salviano, em virtude de seu comportamento rebelde e impetuoso. No entanto, a jovem não age assim porque quer, e sim por ter sofrido um trauma grave na infância, elucidado no decorrer da história.

Vitória (Thaís de Campos), a filha mais velha, é casada com o advogado Ernani (Floriano Peixoto). A união não é do agrado de Salviano, o que faz com que o genro o combata de todas as formas. Vicente (Thiago Lacerda) é um boa-vida, que decepciona o pai dia após dia com seu desinteresse pelas empresas. Virgílio (Marcos Winter) passou anos sumido da família e ao voltar ressurge como frei. Valter (Jiddu Pinheiro) gosta de mulheres mais velhas e se envolve com Milla (Betty Lago). Vinícius (Marcelo Serrado), por sua vez, mora no exterior e só aparece no meio da história. Tem como principal meta separar Lucinha do pai, após ser rejeitado por ela, por quem se interessa.

Eu Prometo: há 35 anos, estreava a última novela de Janete Clair

Os retornos e homenagens da escalação do elenco de Pecado Capital

Mário Lago, que integrou o elenco das duas versões da novela (Reprodução/TV Globo)
Mário Lago, que integrou o elenco das duas versões da novela (Reprodução/TV Globo)

Glória Perez acrescentou tramas e personagens, compondo uma nova novela. Francisco Cuoco, o Carlão do original, voltava agora como Salviano. Paloma Duarte interpretava a personagem defendida por sua mãe, Débora Duarte, nos anos 1970: Vilminha, a frágil filha de Salviano. A irmã de Lucinha no original se chamava Emilene (Elizângela), em homenagem às cantoras Emilinha Borba e Marlene. No remake virou Clarelis (Leandra Leal), a saber, junção de Clara Nunes com Elis Regina. Além disso, a Bá da versão original, Elza Gomes, era homenageada com uma foto em cena. Era a representação da mãe da nova Bá (Zilka Salaberry).

José Mayer chegou a ser cogitado para viver o papel de Carlão, ao passo que Luciano Szafir foi anunciado como intérprete de Vinícius, papel que ficou com Marcelo Serrado. Além disso, Ana Paula Arósio seria Lucinha, no que dependesse de Glória Perez e do diretor de núcleo, Wolf Maya.

Alguns atores da versão original participaram da nova. Além de Cuoco, André Valli também teve um papel fixo no remake. Foi Orestes, pai de Lucinha e Emilene. Nos anos 1970 seu personagem foi Claudius, fotógrafo da agência de publicidade de Nélio (Dennis Carvalho). Betty Faria, Lima Duarte e Emiliano Queiroz fizeram participações afetivas. E Mário Lago repetiu aqui o papel do advogado de Eunice – antes Perez, aqui Amatto.

Os problemas de percurso da novela

Pecado Capital é um clássico inegável da nossa teledramaturgia. Registre-se que o trabalho de Glória Perez foi bastante hábil no sentido de criar algo novo, todavia, sem trair o espírito de Janete Clair. Mas ainda assim algumas coisas soavam incômodas e até anacrônicas. Principalmente o personagem Tenorinho (Eri Johnson). Filho de Clóvis (Pedro Paulo Rangel), dono de um bar em Marechal Hermes, na zona sul ele se passava por Marcelo e fazia amizade com jovens endinheirados, entre uma partida e outra de futevôlei.

Inegavelmente, o maior problema foi o trio central. Tanto Moscovis quanto Carolina, sem falar em Cuoco, estavam bem em seus papéis. A versão original foi bastante respeitada no sentido de novas composições sem descaracterizar as primeiras. No entanto, o par de Cuoco e Carolina não funcionou, em virtude da recusa dela de beijar o ator veterano – com Moscovis, problema nenhum. Eles vinham do sucesso como casal em Por Amor (1997/98), de Manoel Carlos. Glória Perez foi então obrigada a criar a personagem Laura, para fazer par com Salviano. O clássico desfecho que mostra Carlão assassinado no metrô por pouco também não foi mudado. Cogitou-se dar um final feliz a Carlão e Lucinha, mas respeitou-se o original.

Na época, a meta de audiência das novelas das 18h da Globo era de 35 pontos. Pecado Capital teve média geral em torno dos 28. Além dos problemas da atualização, o horário também não favoreceu a história, que merecia ocupar a faixa das 20h novamente. A saber, a novela já foi divulgada duas vezes para uma reprise pelo Canal Viva. Entre 2013 e 2014, acabou preterida por Anjo Mau e Despedida de Solteiro (1992/93), de Walther Negrão. No Vale a Pena Ver de Novo não deu as caras nesses 20 anos. No vídeo abaixo, um compacto da novela.

Últimos vídeos do Canal no YouTube