Logotipo da novela Gina (Reprodução/Memória Globo)
Logotipo da novela Gina (Reprodução/Memória Globo)

Atualmente no ar como a Carmem de O Tempo Não Para, Christiane Torloni interpretou sua primeira protagonista há 40 anos. Em 1978, a Rede Globo exibiu às 18h a novela Gina, escrita por Rubens Ewald Filho. A base era um romance de Maria José Dupré, conforme a tendência do horário na época de fazer novelas a partir de obras literárias.

A direção coube a Sérgio Mattar. Após uma sequência de 11 novelas, a saber, iniciada em 1975 com Helena, Herval Rossano deixava o comando dos trabalhos de estúdio e passava temporariamente apenas à supervisão do núcleo.

Saiba quais foram as novelas de maior audiência da história da Globo em cada horário

A história central de Gina

Pasquale (Luiz Orioni) e a filha Gina (Christiane Torloni) em Gina (Reprodução/Memória Globo)
Pasquale (Luiz Orioni) e a filha Gina (Christiane Torloni) em Gina (Reprodução/Memória Globo)

A novela contava a trajetória de sua personagem-título, em três fases. A primeira mostrava Gina aos 18 anos, ainda estudante. Sua madrasta Julica (Mirian Pires) não gostava dela, tampouco sua meia-irmã Zelinda (Fátima Freire). O pai Pasquale (Luiz Orioni) padecia com a desarmonia na casa, que culminou na saída de Gina. Sua melhor amiga é Mirtes (Theresa Amayo), que acaba se casando com Osório (Paulo Ramos), primeiro namorado de Gina. Mirtes é invejosa e falsa, e suas intrigas permeiam toda a vida de Gina, que prejudica com mentiras.

A pintura e o casamento: a segunda fase

Fernando (Emiliano Queiroz) e Gina (Christiane Torloni) em Gina (Divulgação/Memória Globo)
Fernando (Emiliano Queiroz) e Gina (Christiane Torloni) em Gina (Divulgação/Memória Globo)

Na segunda fase, em 1958, Gina vai para os Estados Unidos. Um grande impulso é a desilusão amorosa com o segundo namorado, Marcelo (Ricardo Wanick). O fato a leva a aceitar um convite de Olegário (Castro Gonzaga), amigo de Pasquale. Iniciando sua dedicação à pintura, aos 20 anos Gina tem a oportunidade de aprimorar sua técnica no exterior com a ajuda de Olegário, negociante de artes. Em Nova York ela conhece Fernando (Emiliano Queiroz), diplomata por quem se apaixona e que se torna seu marido.

Na maturidade, os problemas com os filhos e a verdade sobre a origem

Jorge (Arlindo Barreto) e Helena (Louise Cardoso) em Gina (Reprodução/Memória Globo)
Jorge (Arlindo Barreto) e Helena (Louise Cardoso) em Gina (Reprodução/Memória Globo)

Aos 40 anos, na fase que se passava na atualidade da exibição, Gina continuava a ser vítima das armações de Mirtes. Sua filha Helena (Louise Cardoso) se deixa levar pelas intrigas da falsa amiga. Ao passo que Jorge (Arlindo Barreto), o outro filho, desconfia dela.

Olegário (Castro Gonzaga) quando revela a verdade a Gina (Christiane Torloni) (Reprodução/Memória Globo)
Olegário (Castro Gonzaga) quando revela a verdade a Gina (Christiane Torloni) (Reprodução/Memória Globo)

Talvez a maior mentira que Mirtes semeia contra Gina envolve a amizade dela com Olegário. Como ele sempre ajudara Gina, Mirtes levanta a suspeita de que entre os dois tenha havido mais do que simples amizade. Dessa maneira, Olegário é obrigado a revelar um segredo guardado há anos. Ele é o verdadeiro pai de Gina. Problemas políticos nos anos 1930 levaram-no a deixar o Brasil. Pasquale e ele eram amigos de infância e se apaixonaram pela mesma mulher, com Olegário levando a melhor. Ao viajar, Olegário deixara a filha sob os cuidados de Pasquale.

Vladmir Brichta é premiado pelo filme Bingo-O Rei das Manhãs: “Divisor de águas na minha carreira no cinema”

Mirtes, a falsa amiga

Mirtes (Theresa Amayo), a falsa amiga que percorreu toda a vida de Gina (Reprodução/Memória Globo)
Mirtes (Theresa Amayo), a falsa amiga que percorreu toda a vida de Gina (Reprodução/Memória Globo)

Theresa Amayo teve em Gina um momento interessante. Mirtes era invejosa, insegura e obcecada pelo marido Osório. A sombra de Gina sobre o relacionamento dos dois, já que Osório nunca a esquecera, sempre incomodou Mirtes. O fato de não conseguir desde a infância chamar a mesma atenção que Gina foi a semente de um comportamento destrutivo, de si e dos que a rodeavam.

Gina é lembrada pelos noveleiros como a novela em que Louise Cardoso foi filha de Christiane Torloni. Havia uma caracterização para amadurecer Christiane, claro. No entanto, não foi suficiente para que ela passasse por mãe de Louise e de Arlindo Barreto. A saber, alguns anos depois Arlindo, filho de Márcia de Windsor, seria um dos intérpretes do palhaço Bozo no Brasil. Sua vida inspirou o filme Bingo – O Rei das Manhãs, com Vladimir Brichta e Leandra Leal.

Surpreendentemente, em 1985 a mesma Louise Cardoso esteve envolvida em situação semelhante. Ainda que em posição invertida, já que passou ao papel de mãe. Na minissérie Tenda dos Milagres, sua personagem era mãe de Júlia Lemmertz e Daniel Dantas.

Apesar de não ter feito grande sucesso como a novela que a substituiu, A Sucessora, Gina foi considerada para uma reprise em 1980, na faixa vespertina. No entanto, a reprise não se concretizou e em seu lugar voltou às telas À Sombra dos Laranjais (1977).

Últimos vídeos do Canal no YouTube