Eliana e o boneco Mestre Coco no programa Eliana na Fábrica Maluca
Eliana e o boneco Mestre Coco no programa Eliana na Fábrica Maluca (divulgação)

No dia 10 de março de 2003, a apresentadora Eliana lançava seu novo programa infantil nas manhãs da Record. Depois de fazer sucesso por quatro anos com seu Eliana & Alegria, a apresentadora teve o formato de seu programa alterado para uma proposta mais lúdica e educativa, na nova atração que ganhou o nome de Fábrica Maluca. Pouco tempo depois, o nome da apresentadora passou a fazer parte do título do programa, que se tornou Eliana na Fábrica Maluca.

O programa ganhou este nome porque seu cenário principal era uma fábrica, dividida em vários setores. Cada um dos setores da fábrica era um segmento diferente do programa, em quadros nos quais Eliana contracenava com bonecos e dava dicas diversas às crianças. Entre os quadros, havia o “Laboratório Maluco”, onde Eliana e o boneco Lobisval faziam muitas experiências; e a “Cozinha Maluca”, que era comandado pelo boneco Mestre Coco, e que recebia em sua cozinha convidados especiais, que nada mais eram que Eliana imitando famosos, como Sunday (sátira da Sandy), Ana Maria Draga (referente à Ana Maria Braga), Lebre Camargo (Hebe Camargo) e Mandona (a Madonna), entre muitos outros.

Outro personagem interpretado por Eliana na Fábrica Maluca era o taxista Zé, que levava passageiros famosos no Táxi do Zé. Além disso, a apresentadora continuava dividindo a cena com Edilson Oliveira, que seguia fazendo o personagem Chiquinho, mas também passou a viver outros tipos, como Chico Santos, uma sátira de Silvio Santos. Fábrica Maluca também exibia quadros sobre ecologia, ciências e curiosidades gerais.

Esta proposta mais educativa do Eliana na Fábrica Maluca lembrava um pouco a proposta de Xuxa Meneghel que, na época, apresentava Xuxa no Mundo da Imaginação nas manhãs da Globo, e que também era dividido em quadros didáticos e trazia a apresentadora vivendo personagens e situações. Fábrica Maluca foi criado em parceria com a escritora Mariana Caltabiano, famosa pelos infantis protagonizados por seus bonecos, como Zuzubalândia, exibido no SBT e RedeTV!, e Garrafinha e Flora Encantada, exibidos na Globo. O programa era exibido de segunda a sexta-feira, das 11h ao meio-dia.

No entanto, a nova proposta não funcionou e Eliana na Fábrica Maluca amargou baixos índices de audiência. Por isso, o formato com bonecos e quadros educativos proposto por Mariana Caltabiano durou pouco, e logo o programa voltou a adotar a antiga fórmula do Eliana & Alegria, trazendo uma pequena plateia de crianças que participava de brincadeiras diversas. Pouco tempo depois, a direção da emissora resolveu que Fábrica Maluca devia mirar em adolescentes, mudando o horário de exibição da atração para as tardes e trazendo uma plateia mais, digamos, “envelhecida”. Deu certo.

Por conta destas mudanças, no ano de 2004, a atração perdeu de vez o jeito mais infantil. A atração passou a se chamar apenas Eliana, ganhou um novo cenário e fortaleceu os games, além de exibir séries de temática juvenil, como As Patricinhas de Beverly Hills e Sabrina, Aprendiz de Feiticeira, além da produção nacional Turma da Paquera. Ficou no ar até outubro do mesmo ano, quando foi substituído pelo Sonia e Você, apresentado por Sonia Abrão. E Eliana voltaria ao ar apenas no ano seguinte, no dominical Tudo É Possível.

Leia também:

Há 10 anos, SBT tentava emplacar nova versão do Aqui Agora

Relembre o quadro Cozinha Maluca, do programa Eliana na Fábrica Maluca:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor coloque seu nome aqui