Há 22 anos, estreava a novela Explode Coração

Dara (Tereza Seiblitz) e Igor (Ricardo Macchi) em Explode Coração
Dara (Tereza Seiblitz) e Igor (Ricardo Macchi) em Explode Coração (divulgação)

No dia 06 de novembro de 1995, entrava no ar às 20 horas na Rede Globo a novela Explode Coração. Escrita por Glória Perez, a trama dava início a uma espécie de “série” da autora na abordagem de culturas diferentes. Aqui, ela trazia uma protagonista cigana, que conhecia o amor de sua vida por meio da internet, uma grande novidade da época.

Explode Coração contava a história de Dara (Tereza Seiblitz), uma cigana, filha de Jairo (Paulo José) e Lola (Eliane Giardini). Seguindo a tradição de seu povo, ela está prometida a se casar com Igor (Ricardo Macchi), que pertence a outra tradicional família cigana, filho de Pepe (Stênio Garcia) e Luiza (Ester Góes), e neto de Soraya (Laura Cardoso). No entanto, Dara se recusa a seguir a tradição, já que sonha em se casar por amor. Por isso, ela sofre com as constantes pressões e brigas em sua família, e acha refúgio na internet, num momento em que a “rede mundial de computadores” começava a se popularizar.

Ali, ela começa a conversar com Júlio Falcão (Edson Celulari), um empresário que vive para ganhar dinheiro e está num casamento falido com Vera (Maria Luísa Mendonça). Dara e Júlio, então, passam a ser uma válvula de escape um para o outro, e acabam se apaixonando. Assim, estes dois universos nos quais vivem Júlio e Dara se encontram e um amor verdadeiro nasce, mas são muitos os obstáculos dos dois, já que Igor, apaixonado por Dara, não desistirá de se casar com ela, para desespero de sua irmã Yanka (Leandra Leal), também apaixonada pelo cigano. Já Vera também não vai abrir mão tão fácil de Júlio, tornando-se mais uma pedra no sapato do amor entre o empresário e a cigana.


Explode Coração contou também com várias tramas paralelas de destaque, como a história de Serginho (Rodrigo Santoro), amigo de Dara da faculdade que, após desistir da paixão pela amiga, engata um romance com uma mulher mais velha, Bete (Renée de Vielmond), que é ex-mulher de seu padrasto César (Reginaldo Faria). Outra trama é o amor entre o tímido Edu (Cassio Gabus Mendes) e a jornalista Yone (Deborah Evelyn). Os dois conversam pela internet e se apaixonam, mas Edu não tem coragem de encontrá-la pessoalmente, e passa a enviar um amigo em seu lugar. Edu é filho de Salgadinho (Rogério Cardoso) e Lucineide (Regina Dourado), um divertido casal que toca um bar no subúrbio. Ela vive a mandar nele, repetindo bordões que viraram moda na época, como “stop, Salgadinho!”, ou “me poupe, me economize!”.

O bar de Lucineide é frequentado pela vizinhança, incluindo as amigas Odaísa (Isadora Ribeiro) e Sarita (Floriano Peixoto). Odaísa vive o drama de ter seu filho Gugu (Luiz Claudio Junior) desaparecido, dando início a uma grande campanha promovida pela novela para encontrar pessoas desaparecidas. Odaísa passou a frequentar o espaço das “mães da Cinelândia”, onde se reuniam mães e familiares de pessoas desaparecidas para exibir fotos e tentar alguma informação a respeito do paradeiro de seus entes queridos. A jornalista Yone sempre fazia matérias por lá e mostrava depoimentos reais de pessoas que buscavam desaparecidos. Ao final de cada capítulo de Explode Coração, eram exibidas fotos de pessoas desaparecidas. A novela ajudou a localizar 64 desaparecidos da vida real.

O personagem cigano Igor é um dos mais lembrados de Explode Coração, mas não por uma boa causa. Estreia do ator Ricardo Macchi na TV, que claramente não estava preparado para encarar um protagonista numa novela das oito, ficando estigmatizado por conta do personagem. “Cigano Igor”, assim, tornou-se sinônimo de ator inexpressivo. Já Tereza Seiblitz ganhou elogios por sua heroína Dara. A atriz vinha de bons serviços prestados, em novelas como Pedra Sobre Pedra e Renascer, além de ter trabalhado com Glória Perez em Barriga de Aluguel. Dara tornou-se muito popular, ajudando a disseminar a moda cigana no Brasil, com o uso de saias e acessórios típicos. Curiosamente, após Explode Coração, Tereza Seiblitz passou a aparecer pontualmente e com personagens de menor expressão.

Outro destaque era a abertura, que resumia bem as temáticas da novela, o encontro pela internet e a cultura cigana. Na vinheta, um homem numa sala high tech observa ciganas dançando num telão. Por meio de uma tela touch que nem existia na época (uma abertura que previu o futuro!), o homem transportava a cigana para perto dele, que passava a dançar ao seu lado. A cigana em questão era a atriz e apresentadora Ana Furtado, que estreava na emissora nesta abertura. A trama foi a primeira novela da Globo gravada totalmente no Projac, atual Estúdios Globo.

O Rei do Gado, de Benedito Ruy Barbosa, era a novela que deveria substituir Explode Coração, mas sua produção estava atrasada. Como Glória Perez já havia avisado que não poderia esticar a novela, em razão de outros compromissos, a solução da emissora para tapar o buraco foi a obra O Fim do Mundo, de Dias Gomes. A produção em 35 capítulos havia sido concebida para ser uma minissérie, mas acabou ganhando status de “mini-novela” no horário nobre. O Rei do Gado entrou em seguida.

Explode Coração teve 155 capítulos, exibidos entre 6 de novembro de 1995 a 3 de maio de 1996. Teve direção de Ary Coslov, Gracindo Júnior e Carlos Araújo, com direção-geral e de núcleo de Dennis Carvalho. A trama será reprisada pelo canal Viva a partir do início de 2018.

Leia também:

Infantil X-Tudo terminava há 15 anos

Reveja a abertura “visionária” de Explode Coração: