Há 14 anos, SBT lançava o “Jornal das Pernas”

Cynthia Benini e Analice Nicolau no cenário do Jornal do SBT
Cynthia Benini e Analice Nicolau no cenário do Jornal do SBT/SBT Notícias Breves (divulgação)

Muito antes de escalar um garoto de 18 anos para comandar um jornal, Silvio Santos já fazia suas extravagâncias no jornalismo do SBT. Em setembro de 2003, o SBT lançava em sua programação um jornal que ficou famoso, conhecido até mesmo por quem nunca o assistiu, tamanho o burburinho que causou. Isso porque suas apresentadoras, Cynthia Benini e Analice Nicolau, surgiam lendo as notícias com as pernas à mostra, o que levou o programa a ganhar o apelido de “Jornal das Pernas”. Com o singelo nome de Jornal do SBT – 1ª Edição, a atração era exibida na faixa das 19h30 e marcava o retorno de um telejornal no horário nobre da emissora, algo que não existia desde a extinção do Jornal do SBT/CBS, em 1998.

Muitos devem se lembrar do “Jornal das Pernas” quando o programa se tornou um boletim de notícias na programação, com o nome SBT Notícias Breves, em 2005. Mas a atração estreou dois anos antes, mais precisamente em 1º de setembro de 2003, como Jornal do SBT – 1ª Edição. Na época, a emissora tinha como único jornal o Jornal do SBT, de Hermano Henning, que era exibido no início da madrugada. Silvio Santos, então, resolveu fazer uma nova edição do jornal, em horário nobre e com uma apresentação diferente. Para isso, ele escalou Cynthia Benini e Analice Nicolau, que participaram da segunda edição da Casa dos Artistas, e lançou um novo jornal, na qual as apresentadoras apareciam sempre de saias, atrás de uma bancada transparente, com as pernas à mostra.

O SBT fez mistério sobre o lançamento. Colocou no ar as chamadas do jornal apenas uma semana antes da estreia, e, inicialmente, o novo noticioso era anunciado com o redundante nome Jornal de Notícias. No entanto, ainda antes da estreia, o nome já mudou para Jornal do SBT – 1ª Edição. A atração era realizada sem nenhum investimento, e trazia exatamente as mesmas atrações do jornal de Hermano Henning, apenas com cenários e apresentadores diferentes. Com equipe mínima, as notícias do dia eram dadas em forma de “Frases do Dia”, e o Jornal do SBT exibia quadros enlatados, como Tolerância Zero, sobre a atuação da polícia dos EUA, e Aconteceu no Mundo, com vídeos tipo “isto é incrível”. O jornal também tinha a participação dos comentaristas José Nêumanne Pinto e Denise Campos de Toledo. Semanas depois, Daniela Freitas se juntava ao time com as notícias do esporte.


Na semana seguinte à estreia, o jornal Folha de S. Paulo publicava uma matéria sobre a nova aposta de Silvio Santos. O jornal afirmava que a atração era criticada por muitos em razão do pouco conteúdo noticioso e pelas apresentadoras chamarem mais atenção que as notícias, mas também dizia que o SBT seguia a tendência mundial de fazer uma mistura entre jornalismo e show. No entanto, nem mesmo as pernas das apresentadoras seguraram a atração, que não atraiu anunciantes e nem audiência.

Como não emplacou no horário nobre, o SBT tentou uma inversão com o jornal da madrugada. Assim, Hermano Henning aparecia às 19h30, enquanto Cynthia e Analice davam expediente à 0h. Não funcionou. Então, Hermano voltou para as madrugadas, enquanto Cynthia e Analice passaram para as manhãs, às 6h, e a atração se tornou Jornal do SBT – Manhã em 2004. Ainda este ano, a emissora fez nova tentativa de emplacar o programa num novo horário, na faixa das 17h30, mas o jornal sucumbiu diante da concorrência com Os Cavaleiros do Zodíaco, que a Band exibia no mesmo horário. Acabou retornando para as manhãs.

Em 2005, o jornal continuava matinal, mas ganhou boletins ao longo da programação, de hora em hora, das 16h às 22h. Surgia assim o lembrado SBT Notícias Breves. Entretanto, no mesmo ano, o SBT reformulou sua programação jornalística, contratando o diretor de jornalismo Luiz Gonzaga Mineiro e a apresentadora Ana Paula Padrão. Com uma nova equipe, foi lançado então o SBT Brasil, enquanto o SBT Notícias Breves foi extinto, e as duas edições do Jornal do SBT foram reformuladas. Assim, o Jornal do SBT – Manhã passou a ser apresentado por Joyce Ribeiro.

Com as mudanças, Cynthia Benini e Analice Nicolau migraram para o entretenimento do SBT. Elas apareceram no programa Bailando por um Sonho, de Silvio Santos, e gravaram pilotos de Ver Para Crer, um programa de vídeos incríveis que acabou nas mãos de Celso Portiolli e César Filho. A partir de 2007, porém, o SBT fez nova reformulação no jornalismo, e Cynthia e Analice retornaram, mas sem pernas de fora. Primeiro, foi Cynthia Benini quem voltou, dividindo com Carlos Nascimento o SBT Brasil. Algum tempo depois, Analice Nicolau retornou, dividindo com Hermano Henning o SBT Manhã. Atualmente, Cynthia Benini está fora do SBT, enquanto Analice Nicolau é uma das apresentadoras do SBT Notícias, nas madrugadas.

E esta foi a trajetória do lendário “Jornal das Pernas” de Cynthia Benini e Analice Nicolau, que durou dois anos, passou por vários horários, teve vários nomes e acabou alimentando algumas lendas urbanas da TV. Por exemplo, há quem acredite, até hoje, que Cynthia e Analice ficavam cruzando as pernas enquanto apresentavam o jornal. Não é verdade. Elas apareciam sentadas com as pernas cruzadas, mas jamais cruzaram as pernas no ar.

Leia também:

Há 43 anos, Silvio de Abreu estreava na Globo com Pecado Rasgado

Reveja uma edição completa do Jornal do SBT com Cynthia Benini e Analice Nicolau, na época exibido por volta da 0h30: