Rodrigo Andrade lança Cachaceiro Sem Dinheiro e bomba no sertanejo (Reprodução: Instagram)
Rodrigo Andrade lança Cachaceiro Sem Dinheiro e bomba no sertanejo (Reprodução: Instagram)

O ator e cantor Rodrigo Andrade, de 35 anos, segue colhendo os bons frutos de seu investimento no universo do sertanejo. Entusiasta da música raiz, além de comemorar os excelentes resultados alcançados em plataformas como Facebook e YouTube, que reúne cerca de 10 milhões de views, Rodrigo se prepara para o lançamento de Cachaceiro Sem Dinheiro, sua nova música de trabalho, já disponível em todas as mídias digitais.

Em entrevista exclusiva ao Observatório da Televisão, o artista fala sobre o alance do seu trabalho como cantor, objetivos futuros e o afastamento das novelas para os próximos tempos. “Neste momento a música fala mais alto“, afirma ele. Rodrigo Andrade, conta que na verdade sempre esteve inserido nas duas profissões.
Hoje em dia, em termos financeiros, a música é o primeiro negócio“, fala o profissional ao ser questionado sobre qual profissão desempenhada tem sido mais rentável e satisfatório.

Neste momento a música tem sido mais agradável e especial. Desde os primeiros personagens que aconteceram até estes últimos que eu fiz, eu amadureci como profissional. Trabalhei em produtos legais, sempre tendo uma resposta bacana de tudo. Mas agora meu foco é 100% a música“, explica ele, hoje movimentando cerca de 500 mil seguidores no Instagram.

Rodrigo Andrade diz que convites para novelas e trabalhos na televisão sempre chegam, mas que neste momento não há qualquer possibilidade de aceitar. “No patamar que eu cheguei, fica impossível eu tentar conciliar com novelas. Do tempo que eu estreei na TV para cá, fiz praticamente uma novela por ano. São 12 anos de profissão.

Cachaceiro Sem Dinheiro

Lancei o EP em julho, com seis músicas. Elas tocam bastante na rádio até hoje e é um EP que quase todas as músicas deram certo. Das seis músicas, quatro deram muito certo. Ficou bem orgânico. As pessoas escutam e pedem às rádios. Essas seis músicas que lancei não eram inéditas minhas porque eu tinha feito em uma forma de brincadeira, dentro de um projeto cômico que eu tinha: Zé Barreiro e Catuaba. Que são dois personagens (eu e um amigo). Foi um projeto de 2014, que deu muito certo. A partir dai criou-se um estilo novo de sertanejo.

O artista conta que precisava soltar uma música inédita especialmente para quem lhe conheceu através deste projeto. “Existe um público muito fiel e segmentado, não tão grande, mas muito fiel. hoje nós tocamos em 19 estados do Brasil, é praticamente o Brasil inteiro. O projeto não tinha um investimento financeiro, porém, um auter ego. Eu era muito fãs dos Mamonas Assassinas, então, nós fizemos e soltamos na internet e ele fez muito sucesso no Sul do país. Vendo isso, o relancei como Rodrigo Andrade para o público. Apresentei a nível nacional.

Rodrigo Andrade descarta retorno às novelas tão cedo (Reprodução: Instagram)
Rodrigo Andrade descarta retorno às novelas tão cedo (Reprodução: Instagram)

Cachaceiro Sem Dinheiro é a cara deste sertanejo que eu quero fazer, que não é o convencional e que usa muito do humor, da comédia. Outras músicas que minhas tinham algumas questões que para a rádio não funciona pela linguagem mais apelativa, existem muitas rádios conservadoras.

Eu precisava de uma música que não fosse não escrachada como as outras. Cachaceiro Sem Dinheiro já está em todas as plataformas digitais, mas o lançamento oficial será feito a partir do momento do lançamento do videoclipe. Vamos fazer um trabalho a nível nacional. A gente foca onde está dando mais certo. Pegamos investimentos e aplicamos onde está dando mais certo.

Confira o videoclipe de Cachaceiro Sem Dinheiro:

Semelhanças com Mamonas Assassinas

Em 1990 a banda Mamonas Assassinas tornaram-se um fenômeno de popularidade no Brasil. Formado por Dinho, Bento, Samuel, Sérgio e Júlio. Os jovens promissores apostavam num estilo bem humorado, misturando vários gêneros musicais, resultando em hits como Pelados em Santos, Robocop Gay, Vira-Vira e Brasília Amarela.

Foram, cerca de 3 milhões de cópias, recebendo o famoso disco de diamante, e ficando no top 20 por mais de duas décadas. E é nesta pegada que Rodrigo Andrade adequou o seu estilo de sertanejo, que já conta com moda de viola, o universitário, breganejo e feminejo. Sobre as semelhanças, ele afirma não se importar. Muito pelo contrário!

Ator soma projetos musicais desde 2014 (Reprodução: Instagram)
Ator soma projetos musicais desde 2014 (Reprodução: Instagram)

Isso acontece com muita facilidade. De cada dez mil comentários, cinco mil são falando das semelhanças. Tem muita gente que fala que não gosta de sertanejo mas que gosta desta pegada que criamos. A ideia é essa mesma! Agora que estou sozinho como Rodrigo Andrade e fico muito feliz, eu era muito fãs dos Mamonas Assassinas.

Mamonas Assassinas – A Série

“Sem falsa modéstia, ninguém faria o Dinho como eu. Eu não consigo imaginar ninguém fazendo melhor que eu. Mais que semelhanças, eu assisti tudo de Mamonas. Na minha infância e adolescência foi assim, e mais! Eu toco muito Mamonas Assassinas nos meus shows!.”

Sobre seu tempo na televisão, Rodrigo Andrade diz que nunca houve um enjoo ou mais do mesmo. Nada que o fizesse enjoar da profissão ou que pudesse resultar em um abandono da atuação. “Eu tive muita sorte e com papeis muito diferentes um do outro“.

Rejeição

Se existiu alguma medo da brusca mudança de cenário para a grande massa e se teve medo da rejeição do público em sua nova/velha empreitada, ele conta que sim, sentiu medo. “Medo do público que não me conhecia como cantor, eu senti um pouco. O público sertanejo é bem popular mas bem exigente. Então, ator da Globo, se pegarmos a uns nove atrás, que foi quando eu lancei meu primeiro disco após Caras & Bocas, eu sentia que tinha uma resistência.

A TV me abria as portas para ver se eu era bom mesmo. ‘Vamos pegar este moleque e destruir ele’. Eu senti muito isso de 2010 até 2011. Mas acontece que eu cresci no meio sertanejo. Essa coisa raiz, são coisas que eu gosto e que eu sempre fiz. E quando o público começou a entender que não era um ator de novelas que estava pegando uma oportunidade para ganhar dinheiro na música, começaram a me ver como cantor de fato, que cumpre bem”.

Rodrigo Andrade (Divulgação: TV Globo)
Rodrigo Andrade (Divulgação: TV Globo)

Antes de lançar este projeto, o ex-Global tinha um publico de 80% mulheres na faixa etária de dezesseis a trinta e quatro anos. Hoje, os gráficos apontam cinquenta e cinquenta. Sobre seus desejos mais ousados, Rodrigo Andrade fala de Grammy.

Eu quero um Grammy! Eu não penso em prêmios, mas tudo foi consequência de trabalho. Eu sempre trabalhei para me realizar profissionalmente e para ganhar dinheiro. Ganhei vários prêmios, de revelação eu ganhei muitos. Mas, eu acho que é uma consequência. Na música, ganhar um Grammy tem um peso muito especial”.

Você acredita que o mercado para o ator deu uma melhorada com a chegada das mídias alternativas?

“Eu não posso reclamar, desde que me lancei como ator e minha primeira fez sucesso, que foi Caras & Bocas, sempre tive convites e continuo tendo. Fui convidado para trabalhos bem legais nos últimos tempos. Este meio é um mundo de muita vaidade e às vezes quando a gente fala que não dá para fazer novela, pode ser que as pessoas confundam e pense que estou me achando.

É que realmente não dá. Estou focado em música, ficar preso em uma obra agora me atrapalharia em um trabalho que eu estou apostando a muito tempo. E agora estou em um momento crucial da minha vida que eu preciso estar focado. É o que está dentro de mim, é o que eu acredito e o que eu quero fazer. Sou muito grato a Globo e à Record TV, mas, neste momento só se for em participações curtas. Mas, fazer por fazer, não tem a menor possibilidade”.

Últimos vídeos do Canal no YouTube