João e Jerônimo conversam na novela Verão 90

Desde janeiro no ar como o João de Verão 90, Rafa Vitti vem despertando elogios por sua atuação. O personagem é um jovem prestativo, amigo e amoroso que sabe reconhecer o valor de sua guerreira mãe Janaína (Dira Paes).

O mocinho tem uma personalidade completamente do seu irmão Jerônimo (Jesuíta Barbosa), que sempre teve vergonha da origem familiar simples e que, inclusive, o colocou atrás das grades. Em entrevista ao Observatório da Televisão, Rafa revelou que torce para a redenção de Jerônimo, que desde o início da trama só colhe bons frutos com suas armações. “Eles são irmãos, é a família, sangue”, disse o ator.

O protagonista da trama escrita por Izabel de Oliveira e Paula Amaral, também comentou sobre sua expectativa para a reta final da produção e, claro, falou sobre o divertido romance com Manuzita (Isabelle Drummond). “Que ele fique com a Manuzita e seja muito feliz”.

Sobre a vida pessoal, Rafa Vitti destacou a relação com sua família e a emoção de se tornar papai de primeira viagem. Ele e a atriz Tatá Werneck estão esperando o primeiro bebê. Confira a entrevista na íntegra a seguir:

Como está sendo a novela Verão 90 para você?

A novela está uma maravilha. Eu percebo muito quando saio na rua. Quando eu vou para a rua, eu percebo que a novela está tendo um bom alcance. É um público muito variado, a criançada gostou a voltar de mim (risos). É muito doido isso. Quando eu fiz Malhação, agora já passado cinco anos, o pessoal já cresceu. Então é legal ver uma garotada de 9, 10 anos, crianças de 3 anos que gostam muito da linguagem da novela. Eu, particularmente, acho essa novela divertidíssima. Eu adoro assistir. Meu pai e minha mãe adoram assistir. Está sendo tudo lindo, estamos chegando na reta final”.

O que você mais ouve do público em relação a novela?

’Cuidado com o teu irmão’ (risos). Algo assim. Coisas desses tipos. Ou ‘você tem que ficar com a Manuzita’”.

Como está sendo essa nova fase do João?

Olha, são várias fases na verdade. Eu não sei exatamente qual fase você está falando, porque uma coisa é o que está passando no ar. E como a gente está muito adiantado, bem fora do comum do que é fazer uma novela. Estamos com quase 40 capítulos adiantados, então não sei exatamente do que você está falando”.

Então aproveita e manda um spoiler sobre os acontecimentos futuros na vida do seu personagem?

Olha, o spoiler que eu vou dar é o seguinte: assistam Verão 90. Assistam que vocês vão saber de tudo que está rolando. Mas eu posso dizer que, como uma boa novela das sete principalmente, as coisas vão se ajeitando”.

Qual a expectativa para a reta final do João?

A expectativa só pode ser a melhor possível, porque eu não ia ter expectativa ruim. A minha expectativa final é que o João prove a inocência, que ele fique com a Manuzita e seja muito feliz. E que todos os personagens que merecem ser felizes na novela, sejam muito felizes. E quem merece pagar que pague pelos seus erros”.

Muitas coisas vão acontecer com o João: ele vai desmascarar o Jerônimo, vai ganhar um programa na Globo e muito mais. Você fica angustiado para saber o final definitivo do seu personagem?

Todo esse arco aí que você contou, muito bem inclusive, eu já gravei. Então a angustia para esse momento já foi construída e existe. Agora, o que vai vir, que são os 15 últimos capítulos que eu não recebi ainda… é novela, né?”.

Eu acho que ele vai casar com a Manuzita e vai embora numa Brasília amarela.

Você podia ser roteirista (risos). Eu acho que pode ser uma coisa parecida com isso, mas não sei também. O que eu espero que vai acontecer, e que eu acho justo, é que o João prove a inocência dele. Afinal, ele é um menino direito e fez muito certo na vida. E embora tenha a cena dos irmãos com aquela mágoa, ao mesmo tempo tem o sentimento. Eles são irmãos, é a família, sangue. Eu acharia legal se rolasse essa redenção do irmão, esse perdão e a família voltasse a ser, realmente, uma unidade familiar. Só que eu acho também que não é justo. Tudo o que o Jerônimo fez, ele tem que pagar. De alguma maneira, ele precisa pagar por tudo que fez porque foi muito grave. Ainda mais, que karma é esse que o João tem para passar por isso? O menino nunca fez nada (de ruim) para ninguém”.

Manuzita (Isabelle Drummond) e João (Rafa Vitti)
Manuzita (Isabelle Drummond) e João (Rafa Vitti) (Foto: Artur Meninea/Gshow)

Carisma e futuro na atuação

Você uma pessoa super carismática e recebe muitos elogios nas redes sociais por isso. Como você analisa essa sintonia do público com a sua imagem?

Eu agradeço você dizer isso, já ouvi isso. Eu não procuro ficar olhando muito rede social porque nem todo mundo é legal. Também quando falam que somos muito bom ou esforçado, até isso tem que medir um pouco. Então eu prefiro me basear no eu o pessoal me fala na rua, diretamente para mim, não através de um computador onde uma pessoa pode escrever o que ela quiser. Outro dia um amigo meu, que tem uma filha de 1 ano e nove meses, falou: ‘cara, a minha filha ama o João, E fala a novela do João, quero ver o João’. E eu fiquei pensando o que leva uma criança de dois anos gostar assim de uma coisa que vê. Aí eu lembrei de eu pequeno vendo a Aline Moraes em A Cor do Pecado (risos). Ficou muito marcado isso na minha cabeça. Eu acho o legal dizer, acho o carisma algo muito importante, dá um brilho no personagem”.

Atuar é o que você quer continuar fazendo? Porque você é um cara que escreve, produz.

“Eu esqueço que tenho esse lado. Para mim, eu venho aqui, gravo e o meu trabalho é esse. Eu venho aqui botar o meu figurino, estudar meu texto, gravar e tal. Essa coisa do ser famoso, eu meio que esqueço. Claro que não dá para esquecer, mas eu tento não dar muita importância para isso. Eu sempre penso que estou falando para muita gente e é muito fácil ser mal interpretado”.

Você vai continuar com esse cabelão depois que acabar a novela?

Tinha uns rumores aí de que talvez mudasse um pouco o cabelo, mas eram só rumores. Até agora ninguém me falou nada. Ah, quando acabar. Eu entendi que era durante. Olha, sinceramente, eu sou tão desapegado da minha imagem que eu nem sei qual é o visual que eu usaria para mim. Como a gente está sempre fazendo um trabalho, servindo a um personagem, eu não sei direito se gosto de estar de barba, sem barba, se gosto de cabelo grande ou cabelo curto. Mas eu acho que vou deixar rolar. Geralmente quando acaba eu raspo, mas acho que não vou raspar não”.

Papai de primeira viagem

Como está sua expectativa para ser papai?

Só alegria, estou nas nuvens. No início, eu fiquei um pouco preocupado com tudo que eu precisava aprender. Comecei a pesquisar o que podia comer e o que não podia. Comecei a ficar meio chato. Mas eu acho que é por isso que são nove meses, porque a gente vai acalmando. A gente vai vendo que não adianta ficar super ansioso e querendo dar conta de tudo. A gente está num lance super bom agora. Os três meses que são mais complicados passaram, tem agora só resquícios desse tempo. O nosso bom humor está aí. Está tudo lindo! Estou feliz pra caramba! Todo dia eu acordo e vem um novo pensamento sobre isso”.

Vocês já escolheram o nome do bebê?

Não. É muito difícil porque são duas pessoas escolhendo e mais mil dando pitaco. Então é difícil, mas a gente vai escolher bem bonitinho o nome da nossa filha que vai ser linda”.

Você tem muitos pets em casa. Como está sendo o entrosamento deles com a gravidez da Tatá Werneck? Tem animal que fica com ciúmes, né?

Tem, tem, e é muito interessante. Eu percebo que os gatinhos, os que ficam com a gente no quarto, deitam bem em cima da barriga. Eu acho isso genial. Parece que eles estão sentindo mesmo. Já a nossa cadela Alegria, que é a mais nova, a mais filhote e a mais agitada, é um pouco mais bruta nesse sentido de ficar pulando na Tatá. Então tem que dar uma controlada. Vamos ver quando nascer. Mas eu espero que seja muita harmonia e que eles protejam muito a nossa bebê”.

Tatá Werneck e Rafa Vitti
Tatá Werneck e Rafa Vitti (Foto: Reprodução/ Internet)

A sua mãe está presente com a Tatá nesse momento da gravidez?

Sim, sim. Estamos em uma grande família agora. Está todo mundo feliz, a família inteira. Minha mãe já deixou um monte de livros lá (em casa), faz sopinha”.

Na novela, a Janaína falou que o João só vai entender muitas de suas atitudes quando se tornar pai. Na vida real, você ouviu isso da sua mãe?

Muito! Isso é o que a gente mais ouve: ‘quando você tiver o seu filho, você vai ver o que eu estou passando. Você vai entender a minha preocupação’. Os pais falam isso e estão certos. Os pais sempre estão certos, sempre. Menos quando estão errados (risos)”.

Você já teve uma sogra cascadura estilo Lidiane (Claudia Raia)?

Se eu tive, eu vou ter um respeito por ela e não vou dizer que tive (risos)”.

 Carreira e família

Como você analisa sua carreira?

Às vezes eu paro para pensar nessa trajetória, até para relembrar as coisas que eu já fiz. Não só com os personagens, mas com os quadros que participei, os programas que eu fui. É muito legal ver essa trajetória. Eu acho que tive muita sorte de estar em projetos que deram muito certo, não só com o público. Estou aí vivendo. Acho que estou num processo de amadurecimento desde que comecei a trabalhar, há cinco anos atrás, que não para. Parece que se passaram 10 anos ao mesmo tempo. E, ao mesmo tempo, eu paro e olho que fiz tão pouca coisa. É muito lindo tudo isso que está acontecendo na minha vida, a conjuntura de tudo”.

Você tem uma família muito unida, diferente do seu personagem. O que você mais tem aprendido, tirado como lição, ao vivenciar essa realidade do João?

João tem e não tem essa coisa da família. Ele não tem o pais, mas tem com a mãe dele uma coisa muito completa. Não vou dizer completa porque, com certeza, o irmão faz parte disso. A relação com a minha mãe eu procuro usar também com a Dira (Paes). João toma atitudes que eu tomaria. Eu uso um pouco esse artifício de me colocar muitas vezes no lugar do personagem, em situações até que eu já vivi, para trazer a coisa mais real mesmo”.

Família Vitti no extinto programa Vídeo Show
Família Vitti no extinto programa Vídeo Show (Foto: Reprodução/ Globo)

O que vem na sua cabeça quando pensa na sua mãe, a Valéria Alencar?

A melhor pessoa do mundo. A maior força da natureza. Rainha absoluta (risos). Minha mãe é tudo para mim, a família. Minha mãe foi muito mãe mesmo, sem querer comparar. Eu valorizo muito a educação que ela me deu. Dá para perceber muito que a minha mãe é quase como se fosse o centro da nossa família. Ela que deixa tudo equilibrado. É um pilar mesmo, fez tudo para a gente”.

Você é sempre lembrado por ser muito parecido fisicamente com o seu pai, o João Vitti, né?

Eu e meu pai temos uma relação muito maravilhosa. Os meus pais são incríveis. Não tenho do que reclamar, só agradecer. E agora que estamos grandes está uma coisa de amizade mesmo. A gente sempre teve uma relação muito aberta, de não ter tabu. Meus pais têm a cabeça muito aberta também”.

Quem é o irmão mais levado na sua família?

Eu acho que hoje, já crescidos, nós dois somos bem calmos e centrados. Mas quando a gente era mais garoto, eu com 10 anos e meu irmão com 8, meu irmão era mais bruto. Eu era mais sensível nesse sentido. Mas agora já somos amadurecidos, somos adultos”.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Últimos vídeos do Canal no YouTube