Thalita Carauta
Thalita Carauta (Divulgação/ TV Globo)

De volta às novelas depois de atuar em programas de humor, e em filmes para o cinema, Thalita Carauta será Gorete, na nova novela da Globo, Segundo Sol, escrita por João Emanuel Carneiro, com direção artística de Dennis Carvalho. Durante a festa de lançamento da trama no Rio de Janeiro, a atriz conversou com o Observatório da Televisão, e contou o que a fez aceitar o convite, e destacou as diferenças que existem entre as novelas e outros produtos audiovisuais do ponto de vista do ator. Confira a entrevista completa abaixo.

Leia também: Mariano, da dupla com Munhoz, critica duplas sertanejas que fingem boa relação: “Nos bastidores nem se falam”

Esse é dread é seu cabelo ou você colocou algum aplique?


“Não, eu coloquei. Porque definitivo não dá, para a gente que trabalha fica muito marcado, você faz um e se você quiser de verdade, você vai ficar um bom tempo com ele até tirar, esse aqui não, esse aqui tirando já está o meu cabelo embaixo.”

Como é voltar as novelas, porque você fez Páginas da Vida, né?

“É um trabalho diferente, eu estava numa onda de fazer programa humorístico, cinema, é um outro ritmo de trabalho na verdade, mas foi um convite que eu fiquei super feliz e são momentos na vida que você pensa: ‘Caramba, uma oportunidade dessas, com uma equipe tão legal, uma ideia tão legal’, mas eu estou super feliz. Eu na verdade só começo a gravar acho que no final desse mês ou início de junho, então eu ainda estou meio tateando.”

Mas deu aquele medo, você pensou em não pegar o papel? Porque é um senhor papel, né?

“Eu não falo nem em relação ao personagem, mas o ritmo mesmo que a novela te exige é diferente. Eu tinha planejado na verdade meio que entrar de férias, mas aí vem um convite desse, não tem como recusar, você acaba fazendo. Eu estou feliz, vai ser um ritmo de trabalho diferente do que eu estou acostumada, estou me preparando, porque é uma coisa que eu sinto que vai mudar em relação aos outros trabalhos.”

É quase um longa-metragem por dia na televisão, né?

“É, e a questão de como você faz um filme ou uma peça, são planejamentos mais fechados, novela você fica um pouco naturalmente a mercê dos dias, das cenas, então isso dificulta um pouco também da sua logística de tempo. Na verdade, a minha questão com a novela é mais essa coisa da logística de tempo, dependendo do personagem o volume de coisas de um dia para o outro, cinema é diferente, teatro é diferente, então é um volume de trabalho mais intenso, seja para o texto de uma hora para outra, como para você se organizar nos horários.”

Você já conhecia o Lobianco?

“Não, eu já tinha cruzado com ele, sempre fui muito fã dele. A gente se gosta muito e estamos apaixonados de saber que vamos trabalhar juntos.”

E o outro par é o Pablo Moraes, né?

“Gato. Eu estou esperando aí para ver o que vai acontecer, a Gorete entra na trama dando uma bagunçada ali na família Falcão, quebrando o cotidiano. Eu acho que vai ser divertido, eu estou super animada.”

Olhando por cima, você está torcendo por qual casal?

“Eu torço pelo Roberval e pela Cacau.”

Você acha que o público também vai torcer por eles?

“Eu acho que sim, é uma história de amor mal resolvida, a galera quer sempre que retorne.”

E a sua história de amor dentro da novela, como é ficar dividida entre uma pessoa que é divertida, gente boa e um galã. Você já ficou interessada por uma pessoa nem tão interessante fisicamente, mas que tinha uma alma incrível?

“Não, eu nunca tive essa questão, mas a Gorete especificamente, eu acho que ela vai encontrar algo que ela realmente não viu em outros homens, que vai fazer com que ela se apaixone. Eles vão realmente se apaixonar, então vamos descobrindo aos poucos também, eu ainda não descobri os textos da Gorete, porque eu entro depois, então eu não sei qual vai ser a pegada, mas eu sei que eles realmente vão ter essa história e que a gente vai cuidar disso com muito carinho.”

E provavelmente o assédio também vai aumentar, né? Porque os atores são muito assediados quando estão na televisão, mais do que no cinema. O que você pensa sobre isso? Você se sente mais incomodada ou é uma coisa que você não liga?

“Faz parte da profissão, na verdade. A sua vida profissional é pública, a sua vida pessoal é particular, então a partir do momento que você entende isso, é só saber lidar. Você é uma pessoa pública, então as pessoas vão chegar, é algo que você tem que aprender a lidar, faz parte do seu trabalho, é igual um médico acordado de madrugada para atender um paciente, a gente vai tentando se virar para atender todo mundo da melhor maneira possível, mas nem sempre dá para atender todo mundo. Mas tem que tratar com carinho essa questão, porque os fãs vêm, não importa se você está almoçando, se você está jantando e você tem que tratar isso com um certo carinho, não importa, faz parte do trabalho.”

Tem algum personagem seu que você gostou muito de fazer?

“Eu sempre me apaixono pelos meus personagens. Eu fiquei apaixonada por esse último filme que eu gravei que estreia no ano que vem, é uma história bonita também, é um drama, fala sobre atletismo, As Meninas do Brasil, fala de uma história real que aconteceu em um mundial, fui um personagem que eu gostei muito de fazer e a gente terminou de fazer agora no Japão. A gente começou a gravar no ano passado, ficou oito meses sem fazer e como se passa no Japão, nas olimpíadas do Japão, a gente terminou de filmar tem um mês.”

Como é que foi executar esse lado drama? Porque no cinema, você deve ter feito mais comédia…

“Na verdade, eu não tenho essa separação de drama e humor, eu construo os personagens de humor da mesma maneira que o de drama. Na verdade o humor, ele é um drama, se você parar para pensar. A gente ri do que deu errado, a gente ri do drama, então o humor transcende isso, mas na verdade é um drama, que você escolhe um outro ponto de vista. Essa história que falam que quem sabe fazer humor, sabe fazer drama é verdade, porque o humor não passa de um drama velado, que a gente tenta tirar a graça e um certo conforto dentro de uma desgraça.”

Você sempre fica nervosa quando vai fazer alguma peça?

“Sempre. Depois que você estreia, é aquele nervosinho normal, mas a estreia é cruel.”

Você está nervosa para a estreia da novela?

“Eu acho que não estou, porque eu entro depois. A gente fica muito na expectativa de: ‘cara, será que eu estou fazendo merda?’. Mas como ainda não estou, fico muito mais soltinha.”

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano