Eliane Giardini revela o que deseja para sua personagem em O Outro Lado do Paraíso: “Quero que ela vá para a cadeia”

Eliane Giardini
Eliane Giardini (Divulgação/ TV Globo)

Eliane Giardini interpreta Nádia em O Outro Lado do Paraíso. A personagem que na trama de Walcyr Carrasco, se acha acima das demais pessoas, vive uma relação conturbada com filho, devido ao romance dele com a empregada. A atriz bateu um papo com o Observatório da Televisão e revelou que não consegue defender sua personagem, e que deseja que ela seja presa.

Leia também: Record acerta com reprise de Ribeirão do Tempo

Sua personagem é bem cruel, né? 


Ela é o egoísmo em pessoa. Barra pesada.Não diria nem que é uma vilã, porque para fazer maldade é preciso uma inteligência que ela não tem. Ela é uma pessoa absolutamente inconsciente. Uma dondoca que acha que é superior porque é casada com um juiz e acha que tem praticamente um foro privilegiado.

Não tem nem como defender a personagem, né?

Não, porque é uma personagem, graças a Deus estou bem longe dela, então não chega a me contaminar. Mas é difícil vestir um personagem que é tudo que você não quer para sua vida ou sequer perto de você. Nunca tive essa experiência na minha vida. Sempre fiz personagens pelos quais me apaixono, que defendo. A Nádia eu quero que vá para a cadeia. Como é que uma pessoa pode ser assim, porque tem muita gente assim. Não é uma criação do Walcyr. Espero que de alguma forma as pessoas vendo isso percebam e se identifiquem e descartem essas posturas e atitudes fora do tempo.

Ela é tudo de mais terrível, né?

Ela é racista, classista, fofoqueira, tudo o que você quiser. Manda e demanda, é uma inconsequente. Não é uma visão deturpada, mas uma pessoa que é fruto de uma política, de uma sociedade. As pessoas quando têm dinheiro e não têm consciência é o pior que pode haver. Espero reflexão.

Como vai ser em relação ao preconceito?

No meu texto mesmo tem um filho que se apaixonada pela empregada, a Erika Januza, essa deusa, que eu vou maltratar em cena e o outro que tem um pouco mais de consciência, que fica falando “Isso vai dar cadeia, mãe, você não pode fazer isso, você é preconceituosa”. E ela responde: “Eu, preconceituosa? Eu só não quero que meu filho case com uma preta. Eu sou ótima generosa, trato bem.” Ela é totalmente inconsciente.

Isso é bem real, né?

Claro que é! Conheço várias casos.

Você tem raiva da personagem?

Não tenho ódio, assim como você vestir a pele de um bandido em cena, vou tentar entender essa mulher de alguma forma para humaniza-la. Não posso ficar criticando o personagem, sem saber a humanidade dela, onde reside… Inconsciência tem cura. Composição a gente vai indo, vai descobrindo, trazendo algumas coisas, fazendo algumas pesquisas no Village Mall (risos).

Ela mescla um pouco com o humor, né?

Ela tem o dramático, mas o tom de humor. A família toda. Ela e o marido tem algumas fantasias e tal. Não sei se isso piora ou melhora a situação. Juro por Deus, é uma incógnita. Não sei o que vai rolar. Perversa inclusive. Às vezes ela se fantasia de empregada para o marido.

Você é uma mulher bem a frente de seu tempo, né?

Acho que é uma coisa da minha geração, sou uma representante, havia vida após os 40, aos 50 e aos 60, está tudo muito ligado. Quantas mulheres não voltaram a trabalhar, estudar? Hoje a gente vê que as mulheres estão avançando em todos os níveis. Estão ganhando muito terreno.

O país é bem racista, né?

O nosso país é muito racista e muito violento, ao contrário do que se fala que o brasileiro é um povo muito cordial.  É violento sim. O número de assassinatos de trans e tal. A gente vive um momento de reeducação. O mundo está mudando e a gente tem que seguir essa onda. É claro que a gente foi criado dentro de um mundo preconceituoso, mas estamos nos educando para sair dele. Não quero apanhar na rua. Não quero que as pessoas confundam as coisas a esse ponto. A nossa novela é um cardápio recheado de mazelas humanas, entendeu, tudo o que você puder imaginar a nossa novela vai abordar. É importante martelar. Precisam desse aval do mundo glamouroso da televisão, não gente, isso é real, como a novela das oito – serviço social da  novela.

É mais fácil ser a vilã ou a mocinha?

Não sei se é difícil ou mais fácil, vamos surfar numa onda alta, acredito muito na potência do Walcyr, é um grande comunicador. Esse é terceiro trabalho que faço com ele seguido. Nunca tinha trabalhado. Nesse contrato novo, de três em três anos, tenho três Walcyr. Êta Mundo Bom foi um fenômeno e Verdades, um espetáculo. Espero que seja um sucesso. (Ela bate na madeira.). É isso.

Você está mais magra, né?

Eu não sei. É que eu fico mais gorda no vídeo. Aí todo mundo que me vê pessoalmente acha que eu emagreci. Tenho o rosto muito redondo e ainda sou pequena. Fiquei loira, coisa que não esperava na minha vida a essa altura do campeonato.

Entrevista feita pelo jornalista André Romano