Tiago Leifert comenta presença de Ivete Sangalo como técnica do The Voice Brasil: “É algo surreal”

Tiago Leifert (Divulgação/ TV Globo)

Tiago Leifert estará novamente à frente do The Voice Brasil, que estreia sua sexta temporada na próxima semana. Durante a coletiva de lançamento do programa, o apresentador conversou com nossa reportagem e contou detalhes sobre o reality, e sobre como lida com os desafios da carreira. Confira:

Leia também: Nova proposta pode dar uma “injeção de ânimo” em A Fazenda

Você é um apresentador multifacetado. Bate ainda aquela insegurança para apresentar um programa como o The Voice Brasil?


É muito difícil apresentar um programa como esse. É meio de onde eu venho, que é o esporte. Os esportistas têm que se provar todo dia. Nós também. Tem muita gente talentosa por aí, e eu não posso relaxar. É um trabalho difícil, humano, feito por humanos. Muita coisa acontecendo. Não é nada fácil não. Além de controlar a emoção, apresentar ao mesmo tempo. Lembrar o nome de todo mundo, tratar com muito carinho a família, não é fácil não.

A gente percebe que você sempre se renova. O Tiago do The Voice, é outro no Big Brother Brasil, não é isso?

Isso mesmo. São trabalhos bem diferentes. Aqui, eu estou mais para organizar. Mais para ajudar os técnicos e tudo mais. No BBB eu sou mais juiz. Tem quer arbitrar lá. São dois trabalhos completamente diferentes. Lá na casa, a competição é muito mais vivida, pois estou conversando com os competidores o tempo todo. Aqui, a competição acontece em outro plano. Os técnicos e as vozes. Aqui eu fico mais longe da competição do que lá. É isso.

Você é o queridinho da publicidade. Você imaginava esse sucesso?

Eu fico muito feliz com isso. Com o carinho que o público tem por mim. Eu gosto muito de onde eu estou (entretenimento). Eu sou muito feliz aqui. Eu fico muito contente mesmo. A gente faz de tudo para deixar uma boa impressão para trabalhar sério, para que as coisas não desandem. Eu sei que é bastante trabalho. E, dar 100% em tudo, às vezes cansa. É duro. Mas eu fico muito feliz.

Seu nome é tão respeitado por você não expor a sua vida. Não é isso?

Vocês estão reparando? Acho que eu sou querido no meio publicitário por eu não fazer um monte de coisas. Eu digo muito “não”. Porque a prioridade é aqui, na TV Globo. Aqui acontece tudo. Eu tenho a minha família também. A gente tem que calcular o tempo que eu tenho sobrando para passar com eles e com a minha sobrinha. É o que realmente vale a pena. Claro que a publicidade paga muito bem. Mas não adianta nada, eu me encher de coisa e ir parar na UTI. Meu tempo é muito calculado. Só coloco o meu nome em coisas que eu acredito. Eu tenho restrições alimentares, que seria meio ridículo eu fazer propaganda de coisas que têm glúten, porque eu não posso comer. Eu não bebo cerveja, nem nada. Então, fica estranho eu fazer coisa com álcool. Eu acho que ao dizer “não”, ajuda o pessoal da publicidade a nos ver com bons olhos.

Como está sendo receber a Ivete como técnica? Uma rainha, como você disse, não é mesmo?

Eu sempre falo com o pessoal que não dá para se acostumar, nem no The Voice Kids, é algo surreal. Ela chega, fala com você. A gente pensa: “Caraca, a Ivete falou comigo”. Ainda é algo incrível. Para todo mundo é um negócio que choca. É incrível!

Você tem um público muito fiel. E a família?

Minha mãe é muito fã. Outro dia, eu estava na casa da minha mãe, olha que engraçado. A propaganda da Claro, está passando muito no canal fechado. Apareceu uma vinheta de 5 segundos, e minha mãe gritou: “É o meu filho, grava, grava, grava”. Eu falei: “Mãe, calma!”. É um anúncio de segundos, mas minha mãe ainda tem aquele negocio de “Meu filho”. Hoje, eu vou ganhar uma bronca bem grande, porque eu não avisei a ela que tinha esse evento pela internet, nem lá pelo Globo Play. Hoje eu vou chegar no hotel e vai tocar meu telefone. Hoje ela vai ficar brava. Minha mãe é a minha maior fã. Nossa senhora.

Você falou do The Voice Kids, que marcou muito sua carreira. Como foi passar o bastão para o André Marques?

O André é meu amigão. Eu amo o André! Eu enchi muito o saco dele nessa temporada. Sabe por que? Na passada, que eu fiz, ele me enviava mensagem falando: “Pô cara, estou me acabando de chorar”. Aí, eu falava: “Ao vivo, é mil vezes mais difícil”. Quando ele terminou de gravar o ao vivo, ele me mandou a seguinte mensagem: “Oh, velho, você tinha toda razão. Está difícil aqui para mim”. Ele estava acabado. Estou muito feliz por ele. O André foi muito bem. Eu gosto de assistir, né? Amo o The Voice Kids. É isso!

Você atribuiu o seu sucesso a sua simplicidade?

Cara, sucesso é muito relativo e pessoal. Minha medição de sucesso acho que seja diferente de muita gente. Eu acho que eu meço mais aqui dentro (da empresa Globo), sabe? Eu nunca quis ser famoso. Eu nunca comecei trabalhando na frente da câmera. Eu vim parar na frente da câmera muito por acaso. Então, eu dou muito valor quando as pessoas vêm tirar foto, enfim. Eu gosto de conversar com o público. Às vezes eu assusto com as pessoas que me chamam no aeroporto. Penso que estão me pedindo informação, e é uma foto. Eu fico muito feliz.

O querido Flávio Ricco deu uma nota exclusiva que você participará da cobertura da Copa do Mundo. Como está sendo esse retorno ao esporte?

Eu fico muito feliz de voltar ao esporte. Eu saí do esporte, mas eu falei na época, que eu ainda tinha uma raiz muito forte lá e tal. A Copa ainda está longe. Mas fico feliz. Acho que a gente vai fazer essa transmissão juntos novamente.

Você se encontrou nessa área de programas de realidade?

Eu estou gostando muito de fazer. É um negócio legal por causo do ao vivo e da competição, então são duas coisas que eu gosto muito. Que são disputas. Eu vim do esporte. Eu gosto muito do Zero 1, estou amando fazer. Gosto demais do vídeo game.

Você é um cara bem paternal. Você pensa em se tornar papai?

Claro, quero ser pai sim. Já está liberado. Preciso ovular no dia que eu estou em casa. A gente está praticando. Estamos treinando.

Você quer ser o pai de seu filho, o pai que seu pai foi para você?

Quero sim! O meu pai e minha mãe foram incríveis comigo. Eles incentivaram a minha paixão em relação ao meu ofício.