Ivete Sangalo fala sobre o The Voice Kids: “Eu estou adorando!”

Ivete Sangalo
Ivete Sangalo

Ivete Sangalo, que é uma das técnicas da versão infantil do The Voice Brasil, conversou com o Observatório da Televisão e falou um pouco desse novo projeto em sua carreira.

Confira o papo:

Como está sendo participar do The Voice Kids?


“Eu estou adorando! Curtindo o show de crianças que sabem o que estão fazendo. Eles têm muito talento. O importante é que eles estão no palco para se divertir. Mas, o que é mais impactante é a emoção que a gente sente com eles. A gente consegue perceber na voz, o tanto de emoção que eles trazem. A principio, a gente é o técnico para ensinar alguma coisa. Um pouco de nossa experiência. Mas, o que a gente já aprendeu com eles não tem preço. Já gravamos três programas. Essas crianças estão preparadas. Estou impressionada! Esse talento já é delas. É nato. Eles não estão ali para fazer sucesso. E, sim, para serem avaliados naquele momento junto com a gente. Então, estou muito feliz de participar desse projeto. Eu quero ser honesta com todos eles. Assim, como eles são. Quando uma criança fala, você deve parar para ouvir. Porque ela é direta e acima de tudo honesta. O nosso critério é ter honestidade para com eles. Eles não aceitam as fofurinhas. Eles aceitam a verdade das coisas. É um aprendizado. Eu estou muito feliz. Eu quero agradecer a toda equipe pelo convite. Graças a Deus a esse programa, eu tenho que aprender alguma coisa, né minha gente? (risos).”

Como é avaliar um pequeno? Eles ficam tristes quando você não vira?

“Eles tem um amparo psicológico muito grande da produção. Eles que consolam a gente (risos). Eles falam: ‘não gente, não se preocupa não. Já cantei e estou felizão. Muda de assunto’. As crianças são incríveis!”

Ter a responsabilidade de treinar criança é difícil? Quais os conselhos que você dará para eles?

“Seria muito pretencioso a gente achar que iremos criar uma lista de regras. Mas, o grande barato se dar quando essa criança canta. Ali, você se envolve com ela completamente. A gente quer que a criança viva ali uma experiência positiva. Passando ou não passando para a próxima fase. Estar naquele palco já é algo delicio e muito positivo. São todos muito miudinhos. Mas, tem milhões de possibilidades. E, eles têm a favor deles o tempo. A gente vai dividir com eles as nossas experiências. Eu quero passar para eles uma confiança. Mas, acima de tudo que aquilo ali é gostoso de fazer. Eles não podem perder jamais o vinco com o pilar, que é a paixão pela música. Eu sempre falo em minhas entrevistas que o meu sucesso vale do intimo com que eu me relaciono. Às vezes a musica não está estourada. Mas, eu estou muito segura e feliz naquele momento. Esse é o grande sucesso. Eu quero passar para eles isso. A maior vitória do ser humano é se realizar intimamente.”

É verdade que você foi convidada para ser jurada do The Voice Brasil? E, Por que não aceitou?

“Eu fui convidada sim. Mas, estava gravando a novela Gabriela, e minha vida estava uma loucura. Além de cuidar de casa, do marido e do filho. Além de gerenciar a minha carreira. Eu não aceitei. Mas, falei que teríamos outra oportunidade. Participar do ‘Superstar’ foi uma delicia. Os meninos me chamaram agora e, era algo irrecusável. Aceitei e estou muito feliz!”

Durante o Superstar, muita gente comentou que você era muito boazinha. Você será malvada com as crianças?

“Malvada jamais! Todo o meu HD está fichado na coisa boa. No Superstar eu chegava lá achando tudo maravilhoso. Eu virava para todo mundo. Mas, não tinha os times. Naquele programa a gente não era técnico. Aqui somos! No The Voice Kids temos o direito de ter 24 crianças em nosso time. A gente caminha na responsabilidade de levar as crianças a final, a criança que realmente tem potencial. Para se tornar um artista. Eles já são artistas. O mérito aqui não é ser bom ou mau. É ajudar a criança compreender esse caminho até a final. Então, como eu tenho 24 cadeiras, eu tenho que partir do principio que essas crianças devem estar inseridas em um processo muito sério. O que vem mais na hora de julgar uma criança é a Ivete mãe. É algo impressionante. Eu fecho os olhos e tento me distanciar dessa sensação. Mas eu fico pensando, meu Deus! É o meu filho que está cantando ai, é? O que a mãe está sentindo, o que o pai está sentindo. Entretanto, eu estou no papel de técnico e tenho que cumprir a minha função de uma forma honrosa. Não é tatibitate. É dizer que hoje foi o seu dia. Como nós temos o nosso dia de sorte. Eu tive que me adequar a essa conquista. São 24 cadeiras. Eu tenho vontade de virar sempre. Eu fico no viro ou não viro. Os colegas falam sempre: ‘Ivete, são só 24!’. É a primeira vez que eu me envolvo em um projeto como esse. Estar com as crianças é um aprendizado. Eu tenho que ser verdadeira, honesta e criteriosa. O mais difícil que possa parecer. Temos que ser criteriosos. Eu estou indo bem (risos). Eu acho. Ali na cadeira é outra história.”

Como é a interpretação dessas crianças?

“É impressionante! Eles já chegam cantando a versão deles. Muito diferente da original. Eles já colocaram a personalidade deles naquela canção. Isso é sensacional. As crianças vão conquistar o Brasil. Sem dúvida nenhuma.”

Existe uma possibilidade de você ir para o The Voice adulto?

“Não! Eu estou aqui no The Voice Kids. O time lá já está formado. Aqui é outro time. Eu estou feliz aqui. Eu não pensava nesse. Ainda mais no outro.”

Você já chorou durante as audições?

“É massa! Já chorei sim. A gente fica muito emocionada pela voz. Não temos ali mini-adultos. São crianças e ponto final. Elas vão mudar muito ainda.”

O seu filho adora cantar. Você viraria para ele a cadeira? E, como seria a Ivete mãe?

“Ele é muito bonitooooo. Viraria sim. Eu como mãe e amando o meu filho e tendo responsabilidade sobre ele, eu sei que para o meu filho, a verdade vai estruturar ele sempre para o melhor caminho. Seja um acontecimento bom na vida dele ou algo difícil. Mas, que a verdade seja o eixo sempre.”