Susana Vieira solta o verbo: “No baile funk eu não pego. A pessoa que me pega”

Susana Vieira A Regra do Jogo

Susana Vieira sem dúvida nenhuma a diva da televisão brasileira. A loira não tem papas na língua e se não gosta de algo, ela rebate na hora. Em um conversa reveladora, a atriz, que dará vida a Adisabeba, em A Regra do Jogo, falou sobre as cenas quentes envolvendo a sua personagem na trama de João Emanuel Carneiro e confessou que adora beijar na boca no baile funk. “Eu não pego. A pessoa me pega. Eu acho que isso não existe. Existe homem e mulher que se olham e rola uma faísca. Porque ninguém transa com o outro se um não quiser, ninguém dá beijo na boca se o outro não quer. Num baile, todo mundo paquera todo mundo”, confessou a cultuada atriz.

O ator Douglas Tavares comentou que tremeu durante as cenas quentes envolvendo os personagens de vocês. Como foi para você?

“Por enquanto, estamos todos nervosos. Então, não está dando para acalmar ninguém, porque nem eu estou calma. E eu também acabei de conhecer o Douglas agora e existe um tempo para a gente se conhecer, para nos aproximarmos. Mas, as cenas têm que ser mais quentes mesmo. É óbvio que eu faço uma cena com o Tony Ramos mais relaxada do que com o Douglas, que eu acabei de conhecer. Mas, ele faz o meu namorado. Ela tem loucura para ter tudo, ela quer uma lareira, um ar condicionado e tudo mais. Eles transam na lareira… Aí fica quente e ela pede para ligar o ar condicionado. É a parte meio cômica da novela. Como eu fui namorada do personagem do Tony Ramos, quando ele reaparece na história, o Douglas fica meio com ciúmes. Mas, é uma coisa assim. Ela trata ele amorosamente a noite, mas durante o dia, ela manda nele.”


Na novela, Adisabeba chama o filho de bebê. Você chama seu filho assim até hoje?

“Não! Eu não chamo mais. Não é de bebê, porque as relações são diferentes. Na novela, ela chama de bebê, porque eles moram juntos, eles não saem de casa. A comunidade é feita da família, a família fica lá. Então, existe profundamente uma diferença. Lá em casa, por exemplo, o meu neto está estudando em Lousanne, o meu filho mora em Camboriú, minha nora mora em Miami. É claro que a vida atual não propicia isso. Mas, a própria necessidade que essas pessoas têm de ter um apartamento, faz com que elas vivam juntas. Eles convivem muito mais do que nós, que vivemos separados. Eu acho que essas pessoas, dentro de um quarto só, vivem muito melhor, elas veem o mesmo programa na televisão. E, a gente não, cada quarto tem uma televisão. Podem até assistir o mesmo programa, mas em quartos separados.”

Como foi a participação do jogador Neymar na trama?

“Eu postei fotos, mas eu e o mundo postamos fotos quando estamos ao lado do Neymar. Eu não gravei com ele, ele só passou e eu tirei uma foto. Porque o meu neto menor é jogador de futebol, ele faz parte de um time de Miami. E logicamente, todo mundo tem fascínio pelo Neymar. Ele é um ídolo, um mito que foi criado para nós. Ele virou um ídolo muito rápido. É uma pessoa carismática, joga muito bem, então, todo mundo quer tirar uma foto com o Neymar.”

Então, Susana Vieira também tieta?

“Eu? Eu digo para as pessoas, inclusive com as atrizes que eu gosto. Tem uma atriz que está fazendo a minha nora (Letícia Lima), que eu só conhecia ela da Porta dos Fundos, não sabia nem o nome dela. Quando eu encontrei com essa menina dentro do camarim, eu disse “eu te amo, te adoro, te acho uma atriz maravilhosa!”. Mas, falei com o meu coração, foi uma coisa verdadeira. Outra coisa que eu digo: a Cássia Kis é uma das melhores atrizes hoje em dia. Ela é a primeira. Eu brinco com ela que ela vem antes de mim. Se eu me acho o máximo, acho a Cássia Kis acima de mim. Eu elogio, lógico. Tenho as minhas preferências. Uma vez, eu estava sentada em um restaurante, e um garçom me entregou uma garrafa de champanhe. Quem mandou foi aquele menino, jogador de futebol, que apanha muito da imprensa, o Imperador.”

E o que você fez?

“Eu me levantei e fui falar com ele. Aí, ele me veio com o telefone, para falar com a mãe dele. Ele estava até tremendo, porque disse que vendia batatas na feira e, naquele dia, podia estar me pagando aquela champanhe. Isso para mim, foi um presente. Aí, eu falei com a mãe: ‘não se preocupe, porque o seu filho apanha muito da imprensa, mas eu também apanho e continuo aqui no auge. Isso passa’.”

O que você falou com ele?

“Eu sou fã dele, porque ele apanha demais da imprensa também. Ele é jovem. Essas pessoas têm que pisar na bola. Eles jogam bola, mas é inacreditável que vocês achem que uma pessoa de 23 anos, que ficaram ricas, com a testosterona lá em cima, vão se comportar como se estivessem em um convento. Então, eu amo o Romário, amo o Ronaldinho Gaúcho e amo o Imperador.”

Antes da coletiva, o ator Douglas Tavares elogiou você como mulher. Como você recebe isso?

“Elogio por ser atriz é uma coisa, mas elogio de mulher, eu acho o máximo. Hoje em dia, vamos falar a verdade, se dá muito valor à juventude, ao sexo, muito valor a charme, à sex appeal. Ninguém dá valor para intelectuais, para a gente saber coisas do mundo, falar línguas. Então, vamos ficar gostosa. Porque eu não vou ficar velha contando que eu li ‘A Divina Comédia’. Vamos falar de beijo na boca, de minissaia. É uma coisa que no Brasil, infelizmente, é só sobre isso que fala. Aí, chega o Cauã Reymond e diz que eu estou gostosa. Acho show! Aí vem o menino e diz que eu sou uma mulher desejável. Acho que ele não está fazendo média, né?.”

Você é uma mulher que não se deixa abater, né?

“Quando você permite que a feminilidade continue em você, significa que você continua viva, que você continua apostando no seu futuro, que você ainda tem esperanças de amar outro homem. Não se entregar. Acho que é isso. Continuar alegre, continuar curiosa, continuar indo à baile funk, que é uma das coisas que eu mais gosto na vida.”

Você recebe muitas cantadas?

“Acho que, hoje em dia, ninguém dá mais cantada em ninguém. Está muito difícil arrumar um namorado nesses lugares públicos. Primeiro, porque são homens lindíssimos e quando você vai ver, o namorado está do lado. A gente fica pasma. São as melhores pessoas para a gente conviver, são bonitos, são elegantes, chiques – e não é de vestir. São pessoas doces. Então, a gente convive com eles numa boa, mas as cantadas acabaram. O que acontece é que você começa hoje uma conversa aqui ou ali. Mas, também tem. Eu vou muito naquele Baile da Favorita, tem gente que chega e, dali, a gente sai e está tudo bem.”

Então, você pega em baile funk?

“Eu não pego. A pessoa me pega. Eu acho que isso não existe. Existe homem e mulher que se olham e rola uma faísca. Porque ninguém transa com o outro se um não quiser, ninguém dá beijo na boca se o outro não quer. Num baile, todo mundo paquera todo mundo.”

Como está o seu coração?

“Meu coração está ótimo. Estou felicíssima, graças a Deus. Mais do que nunca, inclusive.”

Você curte a internet?

“Odeio internet. Só uso whatsapp, que é a melhor invenção do mundo. É ótimo: você briga pela internet, faz as pazes por ali, fecha contrato, é tudo tão rápido. Eu não abro o Ego, Isto É, Caras, não abro nada. Eu acho que, aquelas horas em que eu fico ali, abrinco essas coisas, a vida está comendo solta. Aquela notícia, a gente vai ficar sabendo depois. Eu gosto mesmo é de ler jornal. Adoro jornal, papel e nunca largaria isso para ver aquela tela branca, com aquela luz na minha cara. Eu pego as manchetes grandes, e vejo que quantas pessoas trabalharam por aquilo. A internet só coloca a matéria importante. No jornal, eu vejo tudo. E vejo mesmo. Aqueles jornais do trem. Eu amo!.”

Qual o segredo para essa energia inesgotável?

“A Geleia Real, eu ainda tomo. Aquela que é fabricada pela Mitsubishi. Aí eu digo: esses japoneses são tão sábios. Eles fazem os melhores carros do mundo, que poluem o mundo, inclusive acaba com a camada de ozônio. Mas, ao mesmo tempo, eles fazem a geleia real, que é para você melhorar o oxigênio do seu pulmão. Então, dez para os japoneses.”

Quando você quebrou o pé pensou em abandonar a novela?

“Meu amor, a novela é o meu sustento. São coisas que acontecem. Vários atores quebram coisas durante novelas. Eu suspendi o teatro não por isso. Eu ia ficar lá só duas semanas, para pegar a peça. Mas, a Globo não ia me deixar ficar em São Paulo. Na novela, trabalhamos dez horas por dia. Mas, não se conta desgraça.”

Seu ex-namorado, Sandro Pedroso, vai ser papai. Como você encarou isso?

“Eu não acho nada. Eles é que tem que achar. O problema é deles. Nem eles estão sabendo como resolver a situação, não sou eu quem vai saber resolver.”