Ana Brenda Contreras e José Ron como Ana Paula e Gustavo, na novela mexicana A Que Não Podia Amar (Divulgação / Televisa)
Ana Brenda Contreras e José Ron como Ana Paula e Gustavo, na novela mexicana A Que Não Podia Amar (Divulgação / Televisa)

Há apenas dois dias no ar, A Que Não Podia Amar vem mostrando que tem tudo para repetir no Brasil o sucesso que fez em sua exibição original, no México, em 2011. Quem, porém, observa a química dos astros latinos Ana Brenda Contreras (Ana Paula) e José Ron (Gustavo) nas cenas do folhetim talvez nem imagine que eles já deram muito errado como par romântico em outra produção da Televisa.

Estamos falando de Juro Que Te Amo, novela rodada em 2008 e exibida nas tardes da emissora Las Estrellas – à época, ainda intitulada Canal de las Estrellas. A história foi concebida sob a promessa de repetir o êxito da obra original, Los Parientes Pobres (1993), protagonizada a seu tempo por Lucero e Ernesto Laguardia.

Com apenas três anos de carreira televisiva, Ana Brenda recebeu a oportunidade de estrear como protagonista neste folhetim, como prêmio pelo bom desempenho como coadjuvante na Televisa. Sua personagem, Violeta Madrigal, era uma jovem que, após a morte do pai e a ruína financeira de sua família, acompanhava mãe e irmãos a viver de favor na mansão de um parente milionário.

Ron, por sua vez, interpretava o gentil mecânico José María, disposto a tudo a conquistar o coração da heroína, apesar da cega paixão de Violeta pelo cafajeste Maximiliano (Marcelo Córdoba). Assim como Ana Brenda, ele também era um ator pouco experiente em rápida ascensão na rede mexicana.

Onde foi que eu errei?

O fato é que, já no ar, Juro Que Te Amo não empolgou a audiência como se esperava. Com índices modestos, embora não exatamente ruins, a trama chamou pouco a atenção do público e principalmente da crítica, que a considerava ‘morna’, praticamente sem atrativos.

Um dos fatores apontados para esse fracasso estava justamente na falta de atualização do texto. Embora a original, Los Parientes Pobres, tenha ficado marcada como um grande sucesso, seu argumento extremamente clássico já se mostrava algo obsoleto para que um remake tão fiel pudesse ser justificado em plenos anos 2000.

O ponto mais criticado, porém, foi justamente o desempenho do casal principal. A imprensa da época observou que tanto Ana Brenda como José Ron se mostravam ‘verdes’ demais em cena, sem terem ainda desenvolvido o carisma e o preparo artístico necessários para segurar o peso de protagonistas.

Tanto é verdade que, após o fim de Juro Que Te Amo, ambos voltaram a ser relegados a papéis secundários em seus trabalhos seguintes. Ana Brenda, por exemplo, coadjuvou em Sortilégio (2009) e Teresa (2010) antes de ganhar outra chance como heroína, na própria A Que Não Podia Amar.

Esta história, aliás, representou um divisor de águas tanto na carreira da moça como de Ron, que a partir daí só figuraram nos primeiros créditos das produções da Televisa. Como o mundo dá voltas, não?

Últimos vídeos do Canal no YouTube