Novela Belíssima (Divulgação)
Novela Belíssima (Divulgação)

Belíssima reestreia no próximo dia 4 de junho na Globo, como cartaz do Vale a Pena Ver de Novo, o que nos oferece uma boa oportunidade de relembrar curiosidades do elenco, da trilha sonora, dos bastidores das gravações e das dificuldades vividas pelo autor Silvio de Abreu quando escreveu a novela. Vamos a elas:

Globo afirma não ter tirado Carolina Ferraz das chamadas de Belíssima

A escolha da Grécia como um dos cenários da história surgiu da ideia do autor de homenagear e celebrar o berço da dramaturgia universal. Muito dos primeiros capítulos é ambientado no país europeu, e dois dos personagens centrais da novela são gregos: Nikos Petrakis (Tony Ramos) e Katina Solomos Güney (Irene Ravache).

Globo aposta alto em Belíssima, mas corre riscos com a reprise

Glória Pires e Tony Ramos em Belíssima
Glória Pires e Tony Ramos em Belíssima

O tema de abertura da novela seria uma composição inédita de Chico Buarque, conforme divulgado algumas semanas antes pela imprensa, mas a música que acompanhou os créditos e deu o tom da história de Silvio de Abreu ao público foi mesmo “Você É Linda”, composta e interpretada por Caetano Veloso, que já havia integrado as trilhas de Eu Prometo (1983/84), de Janete Clair, e Fera Ferida (1993/94), de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares, baseada na obra de Lima Barreto.

Após um impasse em torno do nome de Gisele Bündchen, a abertura da novela acabou contando com a presença da modelo Michelle Alves. É ela quem se exibe numa plataforma elevada, como se estivesse numa vitrine, para ser admirada pelos passantes de uma movimentada avenida da cidade de São Paulo, onde a novela se passava.

No primeiro capítulo, foram mostradas diversas modelos espalhadas por São Paulo com lingeries da marca Belíssima (na ficção), mote da primeira grande discussão de Bia e Júlia, cada uma com uma opinião a respeito da estratégia utilizada por Bia para divulgar a empresa – ainda que rendesse manifestações contrárias da sociedade civil, renderia também publicidade farta e gratuita, na visão dela.

Quando imaginou a trama central de Belíssima, Silvio de Abreu pensou numa mãe muito bonita, que oprimia a filha. Essa mãe seria interpretada por Sônia Braga, que com isso repetiria a relação de parentesco vivida com Glória Pires em Dancin’ Days (1978/79), de Gilberto Braga, e chegou-se a conversar com a atriz para tratar de sua participação na novela, impossibilitada por outros compromissos profissionais da eterna Gabriela. Com isso, o autor precisou modificar seus planos e converteu a mãe malvada em avó; foi aí que surgiu a personagem mais emblemática do enredo, Bia Falcão, interpretada por Fernanda Montenegro.

Fernanda Montenegro como Bia Falcão numa chamada da novela em 2005
Fernanda Montenegro como Bia Falcão numa chamada da novela em 2005

Ainda, seria com Stella (Sônia Braga), a sogra, que André (Marcello Antony) trairia a esposa Júlia (Glória Pires), mas devido à criação de Bia Falcão essa posição de adultério em família foi transferida para a filha da empresária, Érica (Letícia Birkheuer).

A certa altura da novela, Glória Pires se ausentou das gravações devido a uma meningite, e pela mesma época na história a personagem de Cláudia Abreu estava internada no hospital após sofrer um atentado na cadeia, onde estava por ter sido acusada de matar o marido. Uma situação já prevista pelo autor Silvio de Abreu – a internação de Júlia numa clínica para se restabelecer após o trauma de ver o carro onde a avó estava despencar num precipício – foi alongada além do planejado devido a essas circunstâncias. André se aproveita dessa internação também para dar prosseguimento a seu plano de se apossar do patrimônio de Júlia.

Cláudia Abreu e Henri Castelli em Belíssima
Cláudia Abreu e Henri Castelli em Belíssima

Os seguintes atores estrearam em novelas da emissora em Belíssima: Paola Oliveira, Bianca Comparato, Marcelo Médici, Letícia Birkheuer, Enrica Duncan, Juliana Kametani, Eduardo Hashimoto, Marcella Valente e Thomaz Veloso. Leona Cavalli, intérprete de Valdete, já havia participado meses antes de Começar de Novo (2004/05), de Antonio Calmon e Elizabeth Jhin, na qual viveu Lucrécia Borges (Eva Wilma) em flash-backs. Marina Ruy Barbosa, lançada oficialmente como Sabina, também havia participado da mesma novela.

Falando em flash-backs, os que explicaram algumas circunstâncias do passado de Júlia, que relembrava os pais e a morte deles, contaram com as vozes de Fernanda Torres, Adriana Esteves e Fábio Assunção dublando, respectivamente, Bia, Stella e Marcelo (pai de Júlia).

Os atores Tony Correia – atualmente no ar como Manoel em Orgulho e Paixão – e Graziella Moretto fizeram participações especiais na novela como Nuno e Madalena, os cônjuges de Safira e Cemil, respectivamente, que os abandonaram para fugirem juntos. Nuno era pai de Maria João (Bianca Comparato) e Madalena era mãe de Mateus (Cauã Reymond) e Soraya (Enrica Duncan).

Cacá Carvalho reviveu em Belíssima o personagem que havia interpretado em Torre de Babel (1998), também de Silvio de Abreu: Jamanta, que do ferro-velho de Agenor (Juca de Oliveira) em sua novela original passou a assistente do borracheiro Pascoal (Reynaldo Gianecchini). Na cena de seu casamento com Regina da Glória (Lívia Falcão), a empregada da casa de Murat (Lima Duarte), Jamanta é confrontado pela mulher Luzineide (Eliane Costa), com quem havia se casado na trama de Torre de Babel.

Cacá Carvalho com Reynaldo Gianecchini e Cláudia Raia em Belíssima
Cacá Carvalho com Reynaldo Gianecchini e Cláudia Raia em Belíssima

O nome de Regina da Glória era uma junção de homenagens às atrizes Regina Duarte e Glória Menezes, que protagonizaram um grande sucesso de Silvio de Abreu, Rainha da Sucata (1990). Glória também esteve em outras obras do autor.

A atriz Íris Bruzzi, que interpretou Guida Guevara, uma vedete dos tempos áureos que vivia uma relação de amor e ódio com Mary Montilla (Carmen Verônica), já havia interpretado uma vedete em outra novela do mesmo autor, Jogo da Vida (1981/82) e que também se chamava Guida – mas seu sobrenome era Rivera. A propósito: no último capítulo, diversas grandes vedetes da vida real, entre as quais Maria Pompeu, Esther Tarsitano, Anilza Leoni, Elisabeth Gasper, Lilian Fernandes, Marly Marley, Brigitte Blair e Eloína, participaram de um show especial dirigido por Carlos Manga (que também apareceu, vivendo a si mesmo) e escrito por Gigi.

Foi a vilã Bia Falcão que disse uma das frases que, sem que fosse um bordão seu, algum tempo depois marcou como se fosse, graças a um vídeo que viralizou na internet com um remix de música eletrônica aliada a falas marcantes de vilãs das telenovelas. “Pobreza pega! Pega feito sarna… Pega. Como um vírus. Entra pela pele, pela respiração. Eu controlo a minha respiração! Eu prendo a minha respiração sem querer… sem querer! Não toco em nada, pra não me contagiar. Nada”: a fala foi dita por Bia a seu advogado e comparsa Medeiros (Ítalo Rossi), ao se referir às condições em que a bisneta Sabina vivia, em sua opinião.

Durante a exibição da novela, o humorístico Casseta & Planeta Urgente satirizou-a sob o título Baleíssima.

Belíssima foi a terceira novela mais vista da década de 2000 na média geral dos números, tendo fechado em 48,5 pontos. É ultrapassada apenas por suas antecessoras imediatas, América (2005), de Glória Perez, a vice-líder, e Senhora do Destino (2004/05), de Aguinaldo Silva, a campeã. Poucos décimos separam as três novelas.

Laura Cardoso fez uma participação muito especial nos últimos capítulos, na pele de uma mulher humilde que detinha consigo a chave de um dos grandes segredos da história: quem era o filho (ou filha) que Bia e Murat tiveram e que a vilã entregou para a adoção.

Lima Duarte e Fernanda Montenegro como Bia e Murat
Lima Duarte e Fernanda Montenegro como Bia e Murat

Belíssima foi o último trabalho do ator Gianfrancesco Guarnieri, que faleceu em 21 de julho de 2006, duas semanas após o final da novela, cujos capítulos finais nem chegou a integrar, já internado para cuidados médicos. Mesmo assim seu personagem Peppe marcou presença no desfecho, numa cena em que Murat (Lima Duarte) telefona para ele. Guarnieri apareceu sempre sentado em cena, e seu cenário era o Teatro Oficina, de José Celso Martinez Corrêa, localizado na região central de São Paulo.

Para divulgar a reapresentação da novela, diante dos números alcançados por Celebridade (considerados abaixo do esperado), a Globo reuniu vários atores do elenco de Belíssima num evento para a imprensa no dia 16 de maio, quarta-feira passada. Foi exibido para os jornalistas o primeiro capítulo e nomes como Lima Duarte, Fernanda Montenegro, Irene Ravache, Paola Oliveira e Marina Ruy Barbosa falaram sobre seus personagens e a história.

Últimos vídeos do Canal no YouTube