Depois da recente febre dos talk shows de fim de noite na TV aberta, a onda agora são talk shows semanais na TV paga. Recentemente, Fabio Porchat trocou a aberta Record TV pela paga GNT e emplacou o divertido Que História É Essa, Porchat?. Agora, é a vez de Leandro Hassum de se aventurar como apresentador no Tá Pago, exibido nas noites de terça-feira do canal TNT.

A comparação com o Que História É Essa, Porchat? se faz necessária porque Tá Pago também foge do formato convencional de late show. Não há banda, nem caneca, nem bancada. E, no caso do show de Hassum, não há nem mesmo plateia. Mas há a clara intenção de fazer uma conversa entre os convidados, sem a pretensão de discutir temas ou debater assuntos. A graça é, simplesmente, bater papo.

Para isso, Tá Pago tem um cenário que remete a um restaurante. Ali, Leandro Hassum recebe quatro convidados e comanda um verdadeiro papo de boteco. Enquanto comem e bebem, os convidados de Hassum compartilham suas histórias e experiências. Deste modo, a conversa flui e diverte, sem forçar a barra. Assim, a graça não está na piada, e sim no inusitado das histórias apresentadas.

Hassum apresentador

Tá Pago apresenta ao espectador um novo Leandro Hassum. Acostumado a interpretar personagens histriônicos, com um humor corporal evidente, Hassum agora surge despido de qualquer tipo. E vem se mostrando um apresentador bem interessante. Seu humor continua afiado, mas sem os excessos vistos nas atrações de humor que protagonizou na Globo.

A vantagem de Leandro Hassum é que seu estilo é diferente dos demais comediantes apresentadores da atualidade. Hassum tem uma postura cômica, mas não é verborrágico como Danilo Gentili ou Tatá Werneck. Assim, mais do que tentar ir além do óbvio na seara de talk shows, Tá Pago é, também, uma reinvenção de Leandro Hassum. Até aqui, funcionou bem.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Últimos vídeos do Canal no YouTube