Gabriela ( Camila Morgado ) e Rafael ( Carmo Dalla Vecchia ) em Malhação: Vidas Brasileiras
Gabriela ( Camila Morgado) e Rafael (Carmo Dalla Vecchia ) em Malhação: Vidas Brasileiras (Divulgação)

A atual temporada de Malhação: Vidas Brasileiras, estreou com uma proposta diferente do que vinha sendo feito nas levas anteriores. Desta vez, a trama da novela adolescente focaria num jovem a cada duas semanas, levando seu drama ao protagonismo da história. E o drama seria acompanhado de perto pela professora Gabriela (Camila Morgado), a protagonista de fato da obra. Ou seja, Malhação tornou-se um híbrido entre novela e série. Porém, nesta reta final de temporada, a atração vestiu de vez sua porção folhetim, apelando para os clichês mais básicos do gênero.

Nos últimos capítulos, Malhação abordou o atropelamento de Flora (Jeniffer Oliveira), filha de Gabriela. Com o acidente, a jovem foi internada e precisou de uma urgente transfusão de sangue. O ocorrido serviu para que um importante segredo da professora viesse à tona: dois de seus filhos, na verdade, são filhos de Rafael (Camo Dalla Vecchia), e não de seu ex-marido Paulo (Felipe Rocha). Com a revelação, o relacionamento entre os mocinhos da história ficou estremecido.

Leia também: Malhação: Rafael despreza Gabriela por ter escondido paternidade

Antes disso, Gabriela e Rafael passaram por outra provação: as investidas de Solange (Fernanda Paes Leme), a supervisora do colégio Sapiência, que entrou para chacoalhar a trama. A nova vilã injetou mais maniqueísmo na história, ao atuar como uma implacável defensora do ensino formal e conservador. Além de bater de frente com Gabriela no trabalho, Solange também se tornou rival da professora na vida pessoal, já que se interessou por Rafael. Ela até chegou a usar o velho truque de dopar o mocinho para que ele fosse flagrado com ela na cama por Gabriela. No entanto, a professora não caiu na armadilha, ao contrário do que comumente acontece nas novelas.

Temporada irregular

A injeção de uma trama mais folhetinesca nesta reta final de Malhação: Vidas Brasileiras tem a clara intenção de provocar mais envolvimento entre o espectador e a história. Envolvimento este que ficou faltando ao longo de toda a trajetória da história assinada por Patrícia Moretzsohn.

Ao optar pelo formato da série canadense 30 Vies, Malhação teve altos e baixos. Isso porque o formato que revezou o protagonismo da trama fez com que vários assuntos interessantes fossem abordados, como intolerância religiosa a assédio no meio esportivo. Por outro lado, o fato de as histórias durarem apenas duas semanas fez com que o público não tivesse tempo para se envolver com boa parte dos personagens, que apareciam e sumiam ao sabor dos acontecimentos.

Por isso, focar no relacionamento de Gabriela e Rafael faz com que Malhação ganhe fôlego nesta reta final. A atual temporada ainda fica no ar por pouco mais de um mês. Apostar nos desencontros amorosos dos protagonistas maduros, sem dúvidas, é uma forma de dar um final digno a uma temporada bastante irregular.

Leia também: Com “padre sertanejo”, RedeTV! muda, mais uma vez, suas manhãs

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.