Roger Sadala (Antonio Calloni) de Assedio
Roger Sadala (Antonio Calloni) de Assédio (Divulgação)

Na última sexta-feira (21), a Globo Play estreou Assédio, série escrita por Maria Camargo que foi inspirada no livro A Clínica – A Farsa e os Crimes de Roger Abdelmassih.

Leia: Jéssica Ellen fala sobre trabalho na série Assédio: “Experiência difícil”

A atração, que possui 10 episódios, conta a história de Roger Sadala (Antonio Calloni), médico especialista em reprodução humana que passa a ser denunciado por várias pacientes que foram abusadas pelo doutor.

Saiba mais: Após “Assédio” estrear na Globo Play, vítima de ex-médico diz: “Abdelmassih vai dar risada”

A produção surpreendentemente não economiza em cenas fortes e precisas, retratadas magistralmente por um elenco feminino forte, destacando as atuações de Adriana Esteves (Stela), Paula Possani (Eugênia), Hermila Guedes (Maria José) e Jéssica Ellen (Daiane).

O dinamismo criado também por falas de Roger, em atuação precisa de Calloni, com as investigações feitas pela jornalista Mira (Elisa Volpatto), ajuda na criação de um ambiente carregado e que reforça a seriedade do que é contado. Vale ressaltar também a direção conduzida com maestria por Amora Mautner.

Contudo, como já foi declarado, o seriado foi desenvolvido exclusivamente para a plataforma e não existe o interesse em exibi-lo na TV Globo. Se os novos formatos mantiverem o mesmo nível, o serviço conseguirá atrair atenção do público.

Antonio Calloni fala sobre papel de estuprador em Assédio

A saber, Antonio Calloni confessa que adorou viver um dos personagens mais inescrupulosos de sua carreira. Na série Assédio, ele vive um médico estuprador baseado no famoso caso de Roger Abdelmassih, condenado a 181 anos de prisão pela Justiça.

Em entrevista ao Notícias da TV, o ator surpreendentemente assumiu que a experiência foi muito boa e inesquecível. “Fazer um personagem desse foi prazer e alegria. Parece loucura, mas foi. Desculpa aí, gente”, revelou.

Assédio é algo terrível que tem que ser discutido. Esse trabalho é primoroso e propõe um debate em alto nível. Acho que a minissérie vem em um momento muito bacana, e toda essa questão vai ser bem exposta. Não dá mais pra ser assim”, destacou, enfim, o artista.