Canta Comigo
Canta Comigo (Divulgação)

Após a final da primeira temporada do Canta Comigo, exibida na quarta-feira (12) na Record, o apresentador Gugu Liberato participou do Programa do Porchat. Além de falar sobre a competição musical, Gugu também celebrou sua importância nestes 65 anos da Record. Ele falou sobre sua mudança para o canal, em 2009, e sobre os programas que comandou desde então.

Nesta conversa, Fabio Porchat perguntou a Gugu a diferença entre comandar um programa seu e os formatos de fora que apresentou este ano. Como se sabe, Gugu deixou de apresentar sua atração para assumir o comando de Power Couple e Canta Comigo. E o apresentador foi bem honesto na resposta. Ele disse que comandar um formato é mais difícil, pois ele deve seguir muitas regras. E ainda, disse também que se sente um “animador e apresentador” e que, hoje, sente falta de sua porção animador.

Leia também: Canta Comigo: Débora Pinheiro é a campeã do reality

Sem dúvidas, uma fala interessante neste atual momento na carreira de Gugu. Isso porque, ao aceitar se tornar “mestre de cerimônias” de reality show, o artista abriu mão de um palco próprio para ser praticamente coadjuvante. Deste modo, ele não está mais animando uma plateia, como nos tempos de Viva a Noite, Domingo Legal e Programa do Gugu. Daí, faz todo o sentido ele dizer que sente falta de animar.

O problema aí é que Gugu já não estava animando a plateia desde seu extinto programa das quartas-feiras. Em seus momentos finais, a atração dedicava seu tempo a entrevistas longe do palco. Normalmente, Gugu conversava com artistas que andavam fora da mídia, em entrevistas que quase nunca traziam informações interessantes. No palco, Gugu explorava pautas tolas, como decoração de bolos e dicas domésticas. Ou seja, sua porção animadora já não é vista há uns bons anos. Mas ele tem razão quando diz que sente falta. Afinal, o público também deve sentir falta daquele Gugu que dominava o palco.

Canta Comigo cumpriu sua missão

Assim, ao assumir os programas Power Couple e Canta Comigo, Gugu foi visto com um conteúdo mais atraente para apresentar. Bem diferente do extinto Programa Gugu. E ele foi bem na missão, pois emprestou toda a sua experiência para os formatos. Saiu da cartilha sempre que possível, fazendo de suas aparições algo mais natural e o menos “engessado” possível. Em suma, Gugu fez bem aos formatos, e os formatos fizeram bem a Gugu.

Leia também: “Não tinha sonho de ser atriz”, revela Adriana Esteves

Neste contexto, o Canta Comigo foi um acerto. A competição musical conseguiu entreter com uma mecânica atraente e divertida. A tensão dos participantes no centro de um “paredão” de jurados levava o espectador à emoção. Um dos melhores programas que a Record exibiu este ano, sem dúvidas.

Porém, por mais que Gugu tenha ido bem na apresentação, a verdade é que ele ainda não se reencontrou. Ainda causa estranhamento vê-lo como mestre de cerimônias. Enquanto se enquadra nesta situação, sua figura de animador fica cada vez mais distante. Ou seja, ele foi bem, mas este espaço parece pouco para ele.

Leia também: Orgulho e Paixão faz delicada abordagem da descoberta da homossexualidade

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário
Por favor coloque seu nome aqui