Logotipo de A Escolinha do Golias (Reprodução)
Logotipo de A Escolinha do Golias (Reprodução)

Desde o sábado, dia 30 de junho, no início da noite (18h30), o SBT está reprisando A Escolinha do Golias. O humorístico foi resgatado pela emissora para melhorar os índices do horário, antes ocupado pela série Big Bang – A Teoria. Embora esta estivesse no ar com uma temporada inédita na TV aberta – a oitava -, alcançava índices em torno dos 4 pontos.

A Escolinha do Golias estreou em setembro de 1990 e na ocasião ia ao ar nas noites de quarta-feira, às 22h30. Foi uma espécie de resposta da TV de Silvio Santos à transformação da Escolinha do Professor Raimundo em programa à parte. Até então era um dos quadros do Chico Anysio Show, na Globo.

Otávio Mesquita visita casa de Ronald Golias nesta sexta

O Professor Cagliostro (Carlos Alberto de Nóbrega) à frente da turma em A Escolinha do Golias (Divulgação)
O Professor Cagliostro (Carlos Alberto de Nóbrega) à frente da turma em A Escolinha do Golias (Divulgação)

O personagem principal é Pacífico (Ronald Golias), um péssimo aluno, que pensa que engana os colegas com uma pose de sabichão. Sempre tem histórias para contar envolvendo parentes e conhecidos. Afinal, quer justificar seus atrasos e a inadimplência no pagamento das mensalidades. Por isso, ele é um verdadeiro tormento para o Professor Cagliostro (Carlos Alberto de Nóbrega).

Pacífico tem a companhia de uma amiga, que só fala besteira, nada inteligente. Inicialmente essa amiga foi Pazza (Nair Bello). No decorrer dos episódios Pazza foi substituída. Primeiro por Paçoça (Marta Pessoa) e depois por Severina (Consuelo Leandro).

Pacífico (Ronald Golias) e Pazza (Nair Bello) (Reprodução)
Pacífico (Ronald Golias) e Pazza (Nair Bello) (Reprodução)

Alemanha, a sabe-tudo de A Escolinha do Golias

Os telespectadores seguramente se recordam da colega de sala de Pacífico que costumava saber as respostas das perguntas feitas pelo professor. Aliás, colega com a qual o protagonista implicava. Era a bela Alemanha, interpretada por Patrícia Opik. Ao passo que Pacífico desfilava sua falta de conhecimento, Alemanha era cordata e aplicada.

Patrícia Opik como Alemanha em A Escolinha do Golias (Reprodução)
Patrícia Opik como Alemanha em A Escolinha do Golias (Reprodução)

Paulo Silvino, Eliezer Motta, Isabella Brandão, Kelly Verenzini, Vanessa Bueno e Otaviano Costa também compuseram o elenco, nas diversas fases da atração. Eventualmente alguns dos episódios tiveram participações bastante especiais de velhos amigos de Golias. Hebe Camargo interpretou Sílvia, supervisora de ensino. Já Agnaldo Rayol foi o professor de Artes, na ausência de Cagliostro. A fim de transmitir noções de música aos alunos, o mestre foi alvo da gozação de Pacífico.

Improviso e talento marcaram A Escolinha do Golias

Embora o programa tivesse textos de Carlos Alberto de Nóbrega e do próprio Ronald Golias, o improviso era marcante e flagrante nos episódios. Ademais, a linha geral dos enredos propostos era mantida. Mas o grande talento de Golias e dos outros profissionais envolvidos nas cenas era tamanho que se podia prescindir do roteiro.

O eterno Pacífico era astucioso e inteligente. Bem como tinha raciocínio rápido e era muito afeito a trocadilhos e associações de ideias. Somado ao talento de Golias e a seu dom de fazer rir sem sequer dizer palavra, esse teor do personagem resultou e resulta em risada na certa.

Há 31 anos, Ronald Golias estrelava o humorístico Bronco na Band

Outras reprises de A Escolinha do Golias

O humorístico foi reapresentado pelo SBT algumas vezes. Entre abril de 2007 e fevereiro de 2008, sua exibição na faixa das 17h atingiu resultados muito bons.

Ainda, uma edição especial foi atração do ciclo Quem Não Viu, Vai Ver, em fevereiro deste ano. Surpreendentemente, o programa que visitava o acervo do SBT era exibido aos domingos, à meia-noite.

Quer em A Escolinha do Golias, quer nos vários quadros de A Praça É Nossa, o SBT possui um vasto acervo do ótimo trabalho de Ronald Golias. Felizmente esse saudoso humorista pode ser revisto e também conhecido pelas novas gerações.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.