Susana (Alessandra Negrini) de Orgulho e Paixao
Susana (Alessandra Negrini) de Orgulho e Paixão (Divulgação/TV Globo)

Orgulho e Paixão, novela das seis da Globo, tem se revelado uma grata surpresa. O autor Marcos Bernstein foi feliz em sua apropriação da obra de Jane Austen, aproveitando personagens e situações, mas narrando num tom bastante autoral, farsesco, resultando numa típica comédia romântica saborosa. E muito do que funciona na novela tem a ver com a escalação de elenco, com bons atores à vontade dando vida aos tipos criados.

Neste contexto, destaca-se o trabalho de Alessandra Negrini. Sua vilã Susana é uma das melhores personagens da obra, graças ao texto inspirado que recita e à performance da atriz. A vilã poderia cair facilmente na desvairada maldosa e bem-humorada, como boa parte das malvadas do horário nobre, e que parecem feitas justamente apenas para cair nas graças da audiência e virar memes na internet. Mas, apesar de ser um tanto maldosa e muito bem-humorada, suas características fazem sentido dentro do universo proposto na obra. Não é gratuito. E isso faz toda a diferença.

Sempre má! Recorde vilãs feitas por Alessandra Negrini

Espirituosa, Susana oferece alívio cômico às cenas de Julieta (Gabriela Duarte), esta também com aura de vilã, mas que mantém a seriedade em cena. Com isso, imprime leveza às sequências. Além disso, Susana mete os pés pelas mãos tentando fazer valer sua paixão pelo mocinho Darci (Thiago Lacerda), o que rende ótimos momentos. Assim, ela cumpre sua função de antagonista sem, necessariamente, se tornar uma figura odiosa. Pelo contrário: suas atitudes beiram a ingenuidade. E Alessandra Negrini, que já mostrou que sabe ser a malvada dos folhetins, encontrou um tom novo em mais uma vilã para sua galeria.

Dá gosto ver Alessandra Negrini em cena. E o fato de a atriz não emendar trabalhos, aparecendo sempre esporadicamente em cena, ajuda a dar frescor a cada um de seus personagens. Alessandra estava afastada das novelas há três anos, desde Boogie Oogie, onde também viveu uma vilã interessante, outra Susana, personagem que praticamente movia a novela toda. Seu retorno, com uma boa personagem em mãos, e numa trama com muitas qualidades, veio em boa hora.

A Lei e o Crime: com dificuldades de planejamento, Record abusa de reprises

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.

Últimos vídeos do Canal no YouTube