Caio Paduan e Erika Januza são gratas surpresas e se destacam em O Outro Lado do Paraíso

O Outro Lado do Paraíso
Bruno (Caio Paduan) e Raquel (Erika Januza) (Divulgação/ TV Globo)

Quando fiquei sabendo que O Outro Lado do Paraíso, trama de Walcyr Carrasco substituiria A Força do Querer, novela exitosa de Gloria Perez, juro que fiquei bem apreensivo em relação à aceitação do público, pois, o folhetim em si, não é tão leve.

O autor aborda logo de início temas delicados, que muitos ignoram, mas que estão na cara da gente e não percebemos, entre eles a agressão contra a mulher, o preconceito contra pessoas com deficiência, a pedofilia, a auto aceitação, e sem menos importância, o racismo. Tema esse, atualíssimo, William Waack que o diga.

Enfim… entrando nesse assunto em questão, o Brasil é o país em que mais se matam jovens negros no mundo. Dos 30.000 jovens, vítimas de homicídios por ano, 77% são negros. Esse tema tinha que ser debatido no horário nobre, e Walcyr Carrasco como ninguém, está conduzindo bem essa história. Tanto é, que o casal inter-racial interpretado pelos ótimos Caio Paduan e Erika Januza estão na boca do povo. E já foram abraçados pelos telespectadores.


Leia também: O Outro Lado do Paraíso: Após agredir Clara, Gael vai parar na delegacia

Poderia acontecer uma rejeição, pois o Brasil é um país extremamente preconceituoso. Mas devido ao texto bem amarrado de Carrasco, e a competência dos artistas que formam esse casal, o tema já está entre os assuntos mais falados nas últimas semanas. O debate sadio é sempre bem-vindo!

Os dois atores, que são novatos na profissão, mas têm garra de veteranos, não deixaram a peteca cair e não conduziram os personagens para o caminho da caricatura. Tanto é, que sem protagonismo certo, Raquel e Bruno são os protagonistas de O Outro Lado do Paraíso. Pode anotar, esse casal vai roubar a cena.

Eu atuo como repórter de entretenimento há mais de 10 anos, já vi muita gente surgir e desaparecer em pouquíssimo tempo. Alçar o sucesso é fácil, mas mantê-lo, são outros quinhentos. Posso dizer com toda a certeza do mundo, Caio Paduan e Erika Januza serão uns dos melhores atores dessa geração, que se iniciou na primeira década desse século. Mesmo com pouca idade, ambos, são comprometidos, levam o trabalho a sério, não perdem tempo em postar nas redes sociais o look do dia, não caíram na profissão por acaso. Eles batalharam muito e estão escrevendo suas histórias em nossa dramaturgia.

Caio e Erika sigam sempre a intuição e o coração de vocês, pois vocês estão no caminho certo. Sucesso para ambos.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.