Vitor (Daniel de Oliveira) e Alice (Sophie Charlotte) de Os Dias Eram Assim
Vítor (Daniel de Oliveira) e Alice (Sophie Charlotte) de Os Dias Eram Assim (Divulgação/TV Globo)

Os Dias Eram Assim terminou na noite de ontem (18) e, como já havíamos apontado aqui, não tinha mais o que dizer. Depois que a trama de Angela Chaves e Alessandra Poggi pulou para os anos 1980, a história estacionou no ramerrame envolvendo Alice (Sophie Charlotte), Renato (Renato Góes) e Vítor (Daniel de Oliveira), e o pano de fundo político, que já ficava opaco muitas vezes, esvaziou-se de vez.

Assim, não eram esperadas surpresas no episódio derradeiro, que apostou no clássico sequestro da mocinha, seguido da inevitável punição dos vilões. Vítor caiu de uma ponte direto para a morte, enquanto sua mãe Cora (Susana Vieira) enlouqueceu de vez, esperando o retorno do filho. Não chegou a surpreender a eleição de Amaral (Marco Ricca) como Deputado Federal, mas foi um desfecho interessante e bastante adequado, pois encontra ecos na realidade. E a morte de Nanda (Julia Dalávia), logo após o seu casamento, foi o momento realmente emocionante da noite.

No mais, Os Dias Eram Assim até teve seus momentos, mas ficou longe de ser uma grande novela (ou “supersérie”). Ficou bastante claro que sua trama não tinha sustentação para durar 88 capítulos, o que a coloca como a mais longa trama das onze da emissora desde a estreia da faixa, com O Astro, em 2011. Aliás, percebe-se que, aos poucos, o canal vai dedicando mais tempo às tramas deste horário, o que é uma pena. Afinal, tramas mais curtas e em horário avançado apresentam melhores condições para imprimir alguma inovação e ousadia no formato do folhetim clássico. Até então, a trama mais longa do horário era Gabriela, que contabilizou 77 capítulos, e também poderia ter sido menor. O Astro e Verdades Secretas, ambas com 64 capítulos, foram também as melhores, aproveitando bem o formato enxuto. A emissora devia considerar voltar a apostar em tramas menores neste horário.

Além disso, Os Dias Eram Assim sairá de cena como a trama das onze mais vista desde que a faixa foi criada. O recorde do horário, até então, pertencia à Verdades Secretas, de 2015, que registrou média de 20 pontos no Ibope. Já Os Dias Eram Assim fechou com 21 pontos. Nada mal para uma trama que estreou cambaleante.

Mas, claro, trata-se de um ranking equivocado, tendo em vista que cada uma das “novelas das onze” foi exibida em momentos e horários distintos. O Astro, Gabriela e Saramandaia, por exemplo, iam ao ar de terça a sexta, sempre depois da linha de shows. Ou seja, começava tarde da noite, num horário em que o share de audiência é mais baixo, e ainda tinha capítulos de quarta-feira exibidos no início da madrugada, já que ia ao ar depois do futebol. A partir de O Rebu, os capítulos de quarta-feira caíram, e as tramas ganharam espaço nas noites de segunda, depois da novela das nove. E, claro, por entrar mais cedo às segundas, o primeiro capítulo da semana sempre registrava audiência maior, o que favorecia a média final.

Já Os Dias Eram Assim ganhou ainda mais vantagem, pois, além dos capítulos das segundas-feiras, a trama teve também um capítulo mais cedo às quintas, em razão do baixo desempenho de Vade Retro. Com isso, teve a chance de se mostrar ao público em horário mais vantajoso. Esse foi o principal motivo para o bom desempenho no Ibope, já que a trama não apresentou nada de mais.

Marcelo Rezende deixa uma lacuna na televisão brasileira

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.