Sem graça, A Vila é mais um equívoco do Multishow

Elenco de A Vila, do Multishow
Elenco de A Vila, do Multishow (divulgação)

Desde a última segunda-feira (07), o Multishow exibe A Vila, seu novo humorístico, na faixa das 22h30. A nova atração é protagonizada pelo festejado Paulo Gustavo, desta vez de peruca e vivendo Rique, um ex-palhaço cujo circo faliu e, agora, ele vive num trailer estacionado bem no meio de uma vila. No espaço, ele divide a cena com a galeria de moradores do local, todos tipos comuns de um vilarejo.

A ambientação e os tipos lembram, claro, Chaves, mas A Vila aposta num humor menos ingênuo. Entretanto, a atração simplesmente não faz rir. No episódio de ontem (08), por exemplo, Rique e Violeta (Katiuscia Canoro), em poder de um pêndulo que hipnotizava pessoas, passavam a manipular os demais moradores, criando uma série de confusões. Sem originalidade e previsível, o roteiro não conseguiu prender, e muito menos trouxe boas sacadas. Paulo Gustavo, excelente humorista, parece estar no piloto automático, interpretando basicamente o mesmo personagem genérico que vivia em Vai que Cola.

Aliás, fica claro em A Vila a intenção de ser algo aos moldes do Vai que Cola, mas com alguma novidade. A presença de plateia, os comentários metalinguísticos e momentos de improviso e riso involuntário (que parecem ensaiados, diga-se), tão presentes no Vai que Cola, também aparecem em A Vila. Mas Vai que Cola, por mais que seja um sucesso inquestionável do canal pago, também nunca se destacou pelo bom roteiro, pelo contrário. Mas, como rendeu, acabou se tornando uma espécie de “modelo” para o Multishow idealizar seus outros humorísticos, fazendo com que o canal apostasse numa série de programas equivocados.


Atrações como Acredita na Peruca, Treme Treme e Partiu Shopping, por exemplo, vieram nesta mesma esteira do Vai que Cola. Roteiro fraco e sem qualquer tentativa de fugir do “mais do mesmo” caracterizam estas e boa parte dos programas de humor do Multishow. E A Vila, pelo visto, veio para engrossar esta lista de equívocos.

Estrelas Solidárias seria melhor com menos episódios

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.