Power Couple Brasil: segunda temporada tem estreia movimentada e possível protagonista

Roberto Justus com o casal Julia Zangrandi e Marcelo Iê Iê (Divulgação/ RecordTV)

Estreou na noite desta terça-feira (18) a segunda temporada do Power Couple Brasil, reality show da Record que mistura convivência e provas envolvendo dinheiro e que valem a permanência no programa semana a semana, com a chance de conquistar 1 milhão de reais.

Apostando no sucesso desta temporada tal qual a primeira exibida em 2016, a direção do programa tomou uma medida daquelas que já é de praxe na Record: esticar produtos. Não é raro assistir na emissora paulistana programas esticados quase a exaustão, sejam novelas, séries, ou mesmo a repetição de um gênero em suas produções. Com o reality não foi diferente, pois ao invés de 8 participantes agora temos 11, o que alonga em 3 semanas a competição, assim como seu tempo de exibição no ar que contará com dois episódios semanais, um exibido às terças (que mostrará as provas feitas por maridos e esposas) e um exibido às quintas (que mostrará as provas feitas pelos casais juntamente com a eliminação).

Mas o formato do show continua mostrando extrema qualidade na elaboração de provas e na criação de situações que consiga mexer com as atribuições psicológicas de cada participante. Os momentos de paz da temporada começaram a dar sinais de ruídos logo no primeiro episódio quando Suyane Moreira e Maurício Ribeiro foram sorteados para escolher as acomodações de cada casal. A dupla de cônjuges agiu priorizando afinidades, e mantendo perto de si e em melhores condições, pessoas que já lhes eram afetos do lado de fora da competição e podem com isso, sem perceber comprar alguns inimigos no jogo. Andressa e Nasser, ex-participantes do Big Brother Brasil, ficaram na lanterninha dos quartos, sendo obrigados a dormir num quarto que ao invés de uma cama, havia apenas o desenho de uma feita no chão.

Power Couple
Andressa e Nasser não foram poupados no início do programa (Foto: Reprodução/ Record TV)

”Em briga de marido e mulher não se mete a colher” – a icônica frase do repertório popular brasileiro não cabe ao programa. Com uma relação extremamente bem resolvida, onde a esposa se mostra estratégica e mais enérgica, Silvinho Blau Blau e Ana Paula já parecem incomodar alguns participantes do sexo masculino. Ana Paula carrega o estereótipo da mulher guerreira e bem resolvida, que é doce mas não foge de um embate quando necessário, e suas discussões com o marido fizeram criar logo no segundo dia de convivência, a impressão de uma pessoa mandona e voluntariosa, deixando para o marido o título de “pau mandado” reforçado pela edição. Ou essa impressão sobre o casal se desfará ou ficará ainda mais forte, o que certamente gerará conflitos. Pelo temperamento explosivo e imperativo da esposa, ela tem tudo para ser a possível protagonista da edição.

Conflitos são necessários para qualquer reality show, e pensando nisso foram construídas as duas primeiras provas do jogo:

Caio Jardim tenta reconhecer objetos da bolsa da esposa Nayara Justino
Prova Masculina na estreia do Power Couple Brasil (Divulgação/ RecordTV)

Prova Feminina: As mulheres deveriam desligar a energia elétrica, retirar um chuveiro do suporte, trocar a resistência queimada do aparelho por uma resistência nova, e liga-lo. Pode soar um tanto sexista, mas foi uma prova calculada com baixo grau de dificuldade e mostra superficialmente qual das mulheres tem suporte emocional para aguentar desafios maiores, enquanto os homens que deveriam apostar até 40 mil o quanto acreditavam que as esposas cumpririam tal tarefa, foram realistas levando em conta o conhecimento que possuem sobre as parceiras.

Prova Masculina: Os homens deveriam dentro de um carro que retirar das paredes do veículo 6 fotos, onde pelo menos 4 mostrariam objetos que pertenciam à bolsa da própria esposa. A prova foi criada com a sabedoria para dar aos homens a exata sensação do que é estar literalmente dentro da bolsa de uma mulher e o fator emoção nessa hora gerou um resultado na tela mais tenso que a primeira prova, já que as mulheres e apostadoras tenderam a não exibir tanta cautela na hora de apostar valores altos acreditando que seus maridos conseguiriam concluir a prova e ficaram nervosas com o resultado.

Foi uma excelente e acertada estreia, que pecou apenas por exibir 3 vezes durante o episódio imagens de brigas futuras entre os participantes como chamariz para que os telespectadores continuem assistindo ao programa. Creio que o fator surpresa seria muito mais interessante, até mesmo para não criar no público uma falsa expectativa ou resistência a certos participantes “brigões”. Essas pequenas pílulas de futuros barracos deixam a impressão que o programa se fiará nisso e/ou não tem nada mais interessante para mostrar, o que sabemos que não é verdade.

A apresentação de Roberto Justus, não é um acerto tampouco erro, já que a interação dele com os participantes é bem pequena, o que não fez dele uma figura extremamente necessária, mas segue a habitual apatia e pouco carisma já conhecidos do público.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.