Mister Brau terá um show exibido pela Globo (Divulgação)
Mister Brau (Divulgação)

Algumas atrações televisivas entram em cena sem maiores pretensões, mas se tornam, com o tempo, essenciais. A série Mister Brau se enquadra neste caso. A série protagonizada por Lázaro Ramos e Taís Araújo estreou há dois anos com a intenção de não se prolongar muito, mas chega à terceira temporada demonstrando ainda muito vigor. O episódio de estreia da nova leva foi ao ar na noite de ontem (18), trazendo novas cores ao cotidiano da dupla Brau e Michele.

Foi um episódio simples, com um roteiro quase todo calcado num clichê, costurado sobre cenas de brigas de ciúme, e que caminhou para a reconciliação e o “happy end”. Brau e Michele, casal “superstar” da música, estreia no comando de um programa de auditório, Os Brau, e tomam o tempo da nova alçada relembrando histórias do início do relacionamento. A narrativa se transforma em flashbacks e o público é levado a testemunhar o primeiro encontro da dupla, bem como um episódio no qual Brau escreve uma música para outra mulher. Dentre mágoas e ressentimentos, os dois brigam em cena, até que uma “DR” final os levam de volta às boas.

Mesmo com um episódio tão básico, Mister Brau mostrou suas armas. Uma delas é a qualidade do texto, que leva qualquer cena clichê num outro patamar, ao imprimir verdade às situações mostradas e, ao mesmo tempo, usar e abusar de tiradas espertas, capazes de divertir o público. Outra arma é o carisma do casal protagonista. Lázaro Ramos e Taís Araújo parecem levar a parceria pessoal em cena, fazendo de Brau e Michele um casal adorável, donos de sentimentos e ações tão reconhecíveis, que os dois, mesmo sendo grandes estrelas da música no enredo, criam uma rápida identificação junto ao público. Eles passam verdade e credibilidade. Além deles, Mister Brau ainda conta com uma leva de coadjuvantes excepcionais, que dão mais graça à série. Luís Miranda (Lima), Fernanda de Freitas (Andréa), George Sauma (Henrique) e Kiko Mascarenhas (Gomes) dão conta do recado. Por fim, a direção arrojada, que tem o mérito de fugir dos estúdios convencionais (com exceção, claro, do set onde os personagens gravam o novo programa de auditório), dando uma cara diferente à série.

Mister Brau já mostrou sua relevância nas temporadas passadas, ao fazer comédia e, ao mesmo tempo, provocar reflexão, sobretudo quando toca no tema do racismo, sempre de maneira leve, mas contundente. Na torcida pra que este terceiro ano da série consiga manter a qualidade da atração.

*As informações e opiniões expressas nessa crítica são de total responsabilidade de seu autor e podem ou não refletir a opinião deste veículo.