Quarto episódio de Justiça ‘corta o coração’ e faz chorar

Beatriz (Marjorie Estiano) pede para morrer em Justiça
Beatriz (Marjorie Estiano) pede para morrer em Justiça

“Eu admiro muito as pessoas que conseguem passar por isso e seguir em frente, mas eu já to morta…” Beatriz Pugliesi.

Quando a vida de uma pessoa está em suas mãos a maior dificuldade é saber como isso vai te afetar e te transformar. Usada como chamariz no teaser inicial de Justiça, a história de Maurício (Cauã Reymond) é uma história de amor meio ao caos, e foi aqui no quarto episódio que começamos destrinchar melhor a teia do enredo geral da minissérie.

Beatriz (Marjorie Estiano) é bailarina, casada com Maurício, que é contador da Boa Viagem Transportes. Ela que está prestes a estrear um espetáculo, ensaia com o marido e parceiro. Maurício é o tipo de homem que apoia, e vive para aplaudir o talento e desenvoltura da esposa.

Maurício está no meio de um grande problema profissional. O desfalque financeiro feito por Antenor (Antonio Calloni) afetou a vida de todos, desde Euclydes (Luiz Carlos Vasconcelos), passando por Vicente (Jesuíta Barbosa), Waldyr (Angelo Antonio) que relata para Maurício que os motoristas estão há dois meses sem salário. Como bom marido ele tenta conciliar o casamento e o apoio à esposa sem deixar que a relação seja afetada pelo seu lado profissional.  A química entre Marjorie Estiano e Cauã Reymond foi incrível, e mostrou em pequenos detalhes como no olhar um casal verdadeiramente apaixonado ou mesmo nas cenas de sexo entre os dois, onde o texto faz questão de demonstrar que ele a ama independente de seus defeitos, ou como o mesmo citou “dedos tortos de tanto dançar”.  

Diferente dos outros episódios, este teve diferentes movimentos de câmera e planos, artisticamente encaixado com o balé de Beatriz. Os diálogos também foram diminuídos dando lugar onde o silêncio também surgiu com igual importância. E a partir daqui o público vai acompanhar um novo desenrolar dos enredos entrelaçados de Justiça. Após ser atropelada por Antenor, que estava em fuga devido ao escândalo do roubo de dinheiro na empresa de ônibus, a bailarina pede ao marido que a mate. As cenas foram tocantes, emocionantes, e ali o silêncio agiu como um peso, a cada respiração ofegante, e cada lágrima dos dois atores. Para Beatriz ficar sem os movimentos era perder sua essência, ou aquilo o que ela sempre fez e que fora reconhecida por fazer, o que ela sabia fazer de melhor. Para ela não existia mais possibilidade de ser feliz ou de passar por cima de um sofrimento tão grande como outras pessoas conseguem.


A eutanásia ainda divide opiniões mundo afora, enquanto muitos consideram um alívio, outros a consideram um ato de desespero e covardia. Mesmo pedindo que Maurício gravasse um depoimento dizendo que ela estava disposta a morrer, e pedindo a todos que o livrassem do julgamento, matar alguém ainda que seja um pedido da pessoa, judicialmente é considerado assassinato.

Sete anos se passaram, e Maurício se transformou dentro da prisão. A liberdade mostrou um homem que não se esqueceu do passado, nem está disposto a fazê-lo, mas sim que viveu cada dia de clausura com o objetivo de se vingar de Antenor, responsável pelo acidente que deixou Beatriz tetraplégica. Pudemos ver ainda personagens como Celso (Vladimir Brichta) que foi quem montou o esquema para Maurício dentro da prisão, e Mayara (Júlia Dalavia) filha de Fátima (Adriana Esteves) que agora trabalha como uma das prostitutas da sauna montada por Kellen (Leandra Leal).

Neste episódio especificamente houve uma desconstrução do tempo cronológico da série, ainda no enredo de 2009, pois vimos a decisão de Beatriz, e só depois vimos o acidente acontecer, e a cena onde Maurício consegue os remédios com Celso. Com trilha sonora caprichada, e atuações de cortar o coração, Justiça finaliza sua primeira semana com um saldo mais que positivo perante o público.